Saúde

Covid: 94 dos 102 municípios de AL não registraram aumento de novos casos, aponta relatório

Eberth Lins | 18/10/21 - 09h03 - Atualizado em 18/10/21 - 09h38

Com o avanço da vacinação, Alagoas registra ganhos no enfrentamento à Covid-19 nos 102 municípios. O mais recente relatório do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente (IGDEMA), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), informou que há 78 municípios em estabilidade de novos casos, 16 em redução e oito em crescimento. Os dados foram coletados entre os dias 10 e 16 deste mês. Na semana anterior o IGDEMA tinha registrado 79 cidades em estabilidade, nove em redução e 14 em crescimento.

O coordenador do IGDEMA, Esdras Andrade, informou ao TNH1 que a quantidade de municípios que não registraram novos casos da doença subiu de 60 para 67.  Em relação a novos óbitos, a quantidade de municípios em que não foram constatadas mortes por Covid é de 96, contra 95 da semana anterior. 

"No que diz respeito à frequência dos casos em crescimento nas últimas oito semanas, agora são 37 municípios considerados em um grau de criticidade considerado baixíssimo, pois não houve crescimento dos casos nas últimas oito semanas. Chama atenção os municípios de Coruripe e Boca da Mata, pois passaram a ser considerados com criticidade moderadamente alta, uma vez que registraram crescimento de casos em cinco das últimas oito semanas. Já Maceió deixou o grau de média criticidade, passando para moderadamente baixa", detalhou Esdras.

O relatório também chamou atenção para uma alta de casos da Covid em municípios com baixos índices de vacinação. "O destaque negativo da semana fica por conta dos municípios de Maragogi, Marechal Deodoro e Japaratinga, que são municípios com alta demanda turística, e que apresentam as piores proporções de suas populações completamente imunizadas. São 14,8%, 22,2% e 22,5%, respectivamente", pontuou o coordenador.

Conforme o IGDEMA, cinco municípios concentram 58% dos casos da doença em Alagoas: Maceió (38,2%), Arapiraca (13%), Marechal Deodoro (2,8%), Palmeira dos Índios (2,2%) e Santana do Ipanema (2,1%).