Maceió

Crime contra capitão da PM é classificado como homicídio qualificado

11/04/16 - 09h40 - Atualizado em 11/04/16 - 09h46
Reprodução / Arquivo Pessoal

A Polícia Civil tem dez dias para concluir o inquérito policial que apura a morte do capitão da Polícia Militar (PM), Rodrigo Rodrigues, ocorrido na noite de sábado (9). De acordo com o delegado que registrou o flagrante, Ronilson Medeiros, o crime foi classificado como homicídio qualificado.

“Enquadrei o crime como homicídio, com uma qualificadora pela motivação torpe, e por ser um crime contra uma autoridade policial. Esse flagrante foi encaminhado para a Delegacia de Homicídios, que tem dez dias para concluir o inquérito”, explicou.

Outra investigação será realizada pela Corregedoria da PM, parar apurar as condições em que houve a abordagem.

De acordo com o comandante geral da PM, coronel Marcos Sampaio, a investigação da Corregedoria é instaurada sempre que militares são vítimas de crimes. Um dos objetivos é apurar se a ação policial foi adequada ou se poderia ter sido feita de outra maneira.

“Essa investigação poderá incidir numa reanálise do procedimento operacional, mas ainda é muito cedo para antecipar qualquer tipo de resultado”, avaliou.


Versões

TNH1 questionou ainda o comandante geral da PM sobre boatos que circulam nas redes sociais que apontam que o homem preso suspeito de cometer o assassinato não teria sido o autor dos disparos, mas, sim, outra pessoa. O comandante demonstrou ter conhecimento dos boatos, mas foi comedido em sua resposta. “Eu confio na Polícia Civil. Ela quem deverá apontar a real verdade dos fatos e apontar o criminoso”, pontuou.