Polícia

Delegada pede prorrogação de inquérito sobre criança encontrada morta em piscina

Da Redação | 24/08/21 - 16h56 - Atualizado em 24/08/21 - 17h07
Luan Henry foi encontrado na piscina de casa por uma diarista da família | Reprodução

A delegada Liana França, titular do 17º Distrito Policial, confirmou, nesta terça-feira (24), que pediu a prorrogação do inquérito policial que investiga a morte do menino Luan Henry, de apenas dois anos de idade, encontrado morto da piscina de uma casa na Praia do Francês, em Marechal Deodoro. Trinta dias após a morte, a Polícia Civil ainda aguarda o resultado do laudo que vai apontar se a criança teria sofrido abuso sexual.

A mãe adotiva do menino chegou a ser autuada por abandono de incapaz, mas aguarda a conclusão das investigações em liberdade. Ela alega que tudo não passou de um acidente. Se confirmada a conduta negligente, ela pode responder por homicídio culposo.

Conforme depoimento à polícia, Luan dormia em seu quarto quando, tempos depois, o corpo foi encontrado na piscina pela diarista que trabalhava no local. 

A equipe que atendeu o menino – socorrido pelos próprios pais até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Marechal Deodoro, onde Luan já chegou sem vida – identificou lesões que indicariam violência sexual, o que levou a delegada a requisitar a realização de exame complementar. 

O TNH1 apurou que o laudo deve ficar pronto ainda esta semana, informação que, no entanto, não foi confirmada pela Perícia Oficial. O material biológico coletado no corpo da criança é analisado pelo Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística de Alagoas.