Polícia

Delegado vai pedir nova prisão de turista suspeito de estuprar jovem em Porto de Pedras

Eberth Lins | 22/06/21 - 10h17 - Atualizado em 22/06/21 - 10h21
Andressa Júlhia tinha 17 anos e morreu após ingerir grande quantidade de medicamentos. Antes, ela foi vítima de um estupro | Foto: Reprodução / TV Pajuçara

Passado um mês da morte da adolescente Andressa Julhia, vítima de um estupro em Porto de Pedras, no litoral Norte de Alagoas, a Polícia Civil vai pedir novamente a prisão preventiva do turista apontando como suspeito do crime.

Andressa Julhia tinha 17 anos e morreu após ingerir grande quantidade de remédios meses depois de ser drogada e estuprada ao sair para uma festa acompanhada de uma amiga, que seria prima do suspeito e teria filmado o estupro.

Ao TNH1, o delegado responsável pelo caso, Rômulo Monteiro, informou que as investigações estão avançando e o novo pedido de prisão preventiva será feito ainda este mês.

"Já ouvimos o suspeito, a prima dele que é a guarda municipal, uma jovem que foi contatada pela vítima e mais outras pessoas. Antes, o delegado Valdir que estava com o caso chegou a pedir a prisão preventiva do suspeito, mas agora, depois de todos os depoimentos e com mais subsídios, vou reiterar e fazer um novo pedido até sexta-feira ou no mais tardar na próxima semana", detalhou o delegado Rômulo Monteiro.

A irmã de Julhia, Richelle Alessandra, conversou com o TNH1 e falou sobre os dias de angústia vivenciados pela família. "Nós queremos justiça, é só isso que temos buscado todos esses dias. É muito angustiante ficar sem respostas, estamos vendo outros casos sendo resolvidos e o dela ficando para trás. Ele sequer foi preso ainda", compartilhou.

O estupro, segundo a mãe da adolescente que denunciou o caso ao Conselho Tutelar de Porto de Pedras, aconteceu em janeiro deste ano. Andressa Júlia tinha saído de casa com uma amiga, que trabalha como guarda municipal na cidade, com destino a uma festa. 

De acordo com o relato da mãe ao Conselho Tutelar, a jovem teria sido levada para uma praia deserta, onde foi estuprada por um turista de Recife, que é primo da guarda municipal.