Alagoas

Deputados aprovam em 1ª votação mudança de nome do Estádio Rei Pelé

Redação TNH1 | 13/08/19 - 18h01 - Atualizado em 13/08/19 - 18h16
Pei Fon / TNH1

A Assembleia Legislativa de Alagoas aprovou em primeira discussão, nesta terça-feira (13), a mudança de nome do Estádio Rei Pelé para Rainha Marta. O Projeto de Lei (PL) é de autoria do deputado Antônio Albuquerque. 

Na justificativa do parlamentar, embora reconheça a relevância de Pelé para o esporte mundial, Albuquerque cita que não existem laços entre o ex-jogador e Alagoas. Já a alagoana Marta, melhor jogadora de futebol da história, engrandece e eleva o nome do estado. 

Para o deputado Davi Maia, que votou contra a mudança, o projeto de lei é inconstitucional. 

“Marta merece todas as homenagens do mundo. Quem sabe uma estátua no novo Alagoinhas quando esse estiver pronto? Mas não dessa maneira, cometendo uma descortesia com o Pelé, além de que a lei é inconstitucional. Quando o Pelé foi homenageado era antes da constituição de 88, hoje ela veda homenagem a pessoas vivas em monumentos”. 

O PL deve passar pela segunda discussão nesta quarta-feira (14) e, caso seja aprovado, segue para aprovação ou veto do Governador Renan Filho.  

O Estádio Rei Pelé é a maior praça esportiva do futebol alagoano e a casa de CSA e CRB nas últimas quatro décadas. O Trapichão, como também é conhecido o estádio por estar localizado no bairro do Trapiche da Barra, completa 49 anos no próximo dia 25 de outubro.

Em maio deste ano, Pelé se manifestou sobre a possível mudança. "A Marta é o Pelé de saias. Acho muito justa a homenagem. É uma pena que não poderei fazer uma tabelinha com ela na reinauguração", brincou ele, em declaração enviada por meio de sua assessoria.

Segunda tentativa

Não é a primeira vez que existe a tentativa de rebatizar o local para Rainha Marta, eleita pela Fifa seis vezes a melhor jogadora do planeta.

Em 2008 já havia sido apresentado projeto idêntico ao de Albuquerque. Foi feito na época pelo deputado Temóteo Correa (DEM) e aprovado na Assembleia Legislativa por 15 votos a 6. Mas o governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) vetou, sob a alegação que seria uma descortesia com Pelé alterar o nome do estádio.