Maceió

Duas mil famílias têm direito a aluguel social no Pinheiro, mas número deve mudar

Dayane Laet | 09/05/19 - 10h53 - Atualizado em 09/05/19 - 10h53
TNH1 / Arquivo

Quem vive nos bairros com instabilidade de solo em Maceió e já recebe ou pretende receber o aluguel social, pago pelo Governo Federal, precisa estar atento ao novo mapa de risco da região, que vai classificar as áreas com base no laudo emitido pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) nessa quarta (8).

De acordo com informações da Defesa Civil de Maceió, atualmente, 493 famílias recebem o auxílio-moradia, número que corresponde do primeiro ao quinto lote de cadastrados. Outras 383 famílias aguardam o sexto lote, que será liberado nos próximos dias. E, ao todo, contando com os próximos lotes, cerca de duas mil famílias serão contempladas com o aluguel social, mas o número deve mudar com a divulgação do novo mapa, mais abrangente.

Saiba mais: acompanhe todas as notícias relacionadas ao caso Pinheiro

Novas reuniões entre os órgãos públicos envolvidos nos estudos dos bairros vão usar o laudo para elaborar o mapa e apontar quais os locais que não poderão mais ser habitados, bem como a ampliação de cadastros para que novas famílias recebam o aluguel social, ou manutenção dos que já foram concedidos, explicou a Defesa Civil municipal, através da assessoria de comunicação.

Quanto aos moradores que fizeram o cadastro logo no início do processo e ainda não receberam, é preciso estar atento aos documentos exigidos pela Prefeitura. “Há casos isolados de pessoas que não receberam, mas normalmente por documentação errada. A orientação nesses casos é procurar a Defesa Civil de Maceió”, informa o órgão.

A previsão é que o novo mapa, já com as alterações citadas no laudo do CPRM, seja publicado nos próximos dias pelo serviço geológico.