Polícia

'Eles se conheciam, eram amigos', diz pai de jovem que morreu em 'brincadeira' com arma

João Victor Souza | 30/11/20 - 11h13 - Atualizado em 30/11/20 - 15h35
Anderson Villar foi morto com tiro durante festa no interior | Reprodução/Redes Sociais

O pai de Anderson Villar, o jovem morto com um tiro durante uma festa em Santana do Mundaú, confirmou ao TNH1, na manhã desta segunda-feira (30), que o filho era amigo do empresário suspeito de ter atirado durante suposta brincadeira entre eles. O caso foi registrado na manhã desse domingo, 29.

Seu Cícero, mais conhecido como "Ita", afirmou à reportagem que Anderson foi baleado na região do pescoço e chegou a ser socorrido, porém morreu antes de chegar ao hospital. "Eu fui chamado por uma vizinha, ela não tinha me dito nada. E aí quando cheguei, lá no local, fiquei sabendo o que tinha acontecido. Eu não tenho nem o que falar nesse momento, não estou conseguindo raciocinar direito", disse abalado.

Ita também contou que Anderson era filho único, tinha 23 anos e já tinha concluído os estudos. No momento, ele estava desempregado, mas chegou a trabalhar em uma empresa em Maceió, antes de voltar a morar em Santana do Mundaú.

O pai de Anderson disse ainda que não sabe as circunstâncias do disparo e que recebeu a informação de que o filho teria saído de uma festa para ir a essa comemoração.

"Eu não sei bem o que aconteceu, quem estava na festa não me disse nada. Eu só sei que o rapaz que atirou é filho da dona de um mercadinho aqui, eles se conheciam, eram amigos, todo mundo se conhecia nessa festa. Eu também soube que o rapaz costumava fazer esse tipo de brincadeira", acrescentou.

O corpo de Anderson Villar foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML), em Maceió, na manhã de hoje, e agora segue para o município da Zona da Mata alagoana para o velório e o sepultamento. 

Investigação

A Polícia Civil confirmou nesta manhã que o inquérito para investigar a morte de Anderson já foi aberto. A equipe plantonista que fez os primeiros levantamentos do crime entregou o relatório do caso ao delegado Antônio Nunes, que responde pelo 119º Distrito Policial.

Nunes foi ouvido pela reportagem e confirmou que vai analisar o relatório para dar continuidade ao caso. Até o momento, o empresário não foi localizado ou se apresentou à delegacia.