Saúde

Em quatro meses, mais de 1,6 mil pacientes foram atendidos no HGE por acidentes de trânsito

Ascom HGE | 10/05/22 - 16h03 - Atualizado em 10/05/22 - 16h06
Carla Cleto

Os acidentes de trânsito são diários nas vias de todo o mundo. Somente nos quatro primeiros meses deste ano, o Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, já assistiu 1.661 feridos pela imprudência de condutores e pedestres. No ano passado, a maior unidade de urgência e emergência de Alagoas, especialista em traumas, notificou 6.115 casos; em 2020 foram 7.224 ocorrências.

Os acidentes de moto continuam sendo maioria. Em 2021, o HGE acolheu 2.574 pessoas feridas em decorrência de acidentes com veículos automotores de duas rodas, no ano anterior foram 3.109 e, este ano, já passamos 152 feridos. Para o cirurgião geral e do trauma, Álvaro Bulhões, a imprudência continua sendo o maior causador dos acidentes de trânsito, condição que já tornou a situação em epidemia.

“Os traumas são a terceira patologia que mais matam no mundo, só perdem para as doenças cardiovasculares e para o câncer. Do ponto de vista socioeconômico, os traumas são uma das doenças mais cruéis que nós temos, porque eles atingem uma população altamente produtiva, do sexo masculino, entre os 20 e 40 anos, e, quando não causam o óbito, resultam em sequelas graves, deixando essa pessoa altamente dependente e cria um custo maior para a sociedade”, destacou o cirurgião.

Para prevenção, Bulhões defende que as crianças sejam educadas desde a escola sobre os cuidados necessários nas vias públicas, que os condutores respeitem as leis do trânsito, principalmente os limites de velocidade e que todos reforcem a atenção, a cordialidade e o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Também é recomendável que os consumidores de bebidas alcóolicas se mantenham afastados das vias durante o período de efeito da substância.

“O HGE é o hospital de referência em Alagoas em assistir os pacientes que foram acometidos pela violência no trânsito de Média e Alta Complexidade. Quando um paciente chega, ele logo é avaliado pela equipe multidisciplinar da Área Vermelha, que pode encaminhá-lo para exames de imagem ou para o centro cirúrgico. Após a realização dos procedimentos necessários, o paciente estabilizado é internado nos casos mais graves ou que exijam cirurgias complementares, ou recebe alta médica para continuidade dos cuidados em ambulatório”, informou o médico.

Dos 6.115 pacientes acometidos por acidentes de trânsito e, registrados no ano passado, 2.574 foram procedentes de motos, 2.301 de colisões, 628 de atropelamentos, 433 de bicicletas e 179 de capotamentos. Em 2021 foram 7.224 ocorrências, sendo 3.109 por conta de motociclistas, 2.723 por colisões e 652 por atropelamentos. Deste total, 508 eram ciclistas e 232 se envolveram em capotamentos. Este ano, de janeiro a abril, já houve 1.661 notificações, sendo 687 feridos em colisões, 673 devido a acidentes com motociclistas, 154 após terem sido atropelados, 86 por acidentes com motocicletas e 61 devido a capotamentos.