Maceió

Empresário acusa ambulante de usar pedra para quebrar vitrine de loja no Centro de Maceió

Redação TNH1 | 06/12/18 - 15h49 - Atualizado em 06/12/18 - 17h53
Nathalia Lopes / TV Pajuçara

Um homem, ainda não identificado, teria usado uma pedra para quebrar a vitrine de uma loja de bolsas, na Rua Moreira Lima, no Centro de Maceió, na tarde desta quinta-feira, 06. O empresário Leandro de Lima, proprietário do estabelecimento, acredita que o responsável é um ambulante. 

Segundo ele, a ação teria ocorrido minutos após uma fiscalização de agentes da Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs). A reportagem do TNH1 entrou em contato com a assessoria da Semscs, que informou que houve uma briga entre os ambulantes e que a guarda municipal esteve no local para intervir.

De acordo com Leandro, dez minutos depois que os agentes deixaram o local, um dos ambulantes teria ido ao seu estabelecimento e quebrado a vitrine como forma de retaliação.

"Nós temos sempre que estar negociando com eles [os ambulantes], pedindo espaço para que eles não fiquem na frente de nossas vitrines. O Centro está entregue aos camelôs", disse o empresário.

Leandro destacou ainda que o suspeito estava com uma camisa amarela e correu após arremessar a pedra. Um Boletim de Ocorrência será confeccionado e investigações devem apontar quem foi o responsável pelo ato. 

"Nós temos uma câmera no circuito interno da loja, mas não sei se registrou. Vamos esperar as investigações. Mesmo com o susto, que graças a Deus não deixou ninguém ferido, a loja segue aberta", acrescentou.

A repórter da TV Pajuçara, Nathália Lopes, conversou com ambulantes que estavam no local, mas eles negaram o ataque.

Cinco prisões

Militares do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRp) foram acionados para um princípio de confusão entre ambulantes no Centro de Maceió. Cinco pessoas foram detidas e encaminhadas à delegacia. Segundo testemunhas, um dos presos teria puxado uma faca para ameaçar os policiais. 

Semscs nega que confusão foi causada por fiscalização

"A Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs) esclarece que a confusão no Centro não foi causada pela fiscalização. Houve um desentendimento entre ambulantes e agentes da Segurança Pública tentaram apaziguar, mas foram hostilizados, quando guardas municipais que estavam em serviço fizeram a contenção. A Secretaria ressalta que os agentes da Guarda Municipal são orientados e passam por constantes capacitações para fazer uma abordagem pacífica. A Semscs reforçar que a fiscalização de posturas está trabalhando diariamente no ordenamento do Centro para garantir a mobilidade urbana e cumprir a legislação", disse em nota.