Polícia

Empresário garantiu a própria segurança ao não reagir, afirma delegado sobre sequestro

Erik Maia / Deborah Freire | 15/07/19 - 12h16 - Atualizado em 15/07/19 - 15h28
Reprodução / Vídeo

O sequestro relâmpago do empresário Marcelo Costa Torres, no sábado (13), que terminou com um suspeito preso e um gravemente ferido, após perseguição policial, em Maceió, contou com dois importantes fatores que ajudaram a esclarecer o crime mais rapidamente e a manter a vítima em segurança.

De acordo com o delegado Thiago Prado, esses fatores foram a vítima não ter reagido e a família conhecer a rotina dela. "Isso foi muito inteligente, uma vez que o fato ocorreu em um local isolado e poderia ter terminado de forma negativa. Outro ponto positivo foi a família saber da rotina da vítima, o que reduz o tempo resposta em caso de sequestro", avaliou, nesta segunda (15), em coletiva de imprensa na sede da Secretaria de Segurança Pública.

Além de Willames Yago da Silva, 18 anos, preso, e Victor Hugo da Silva, 22 que foi baleado na cabeça e está internado e intubado em estado gravíssimo no HGE, duas pessoas estão foragidas e já foram identificadas, mas não terão os nomes divulgados pela polícia.

Prado disse ainda que a investigação deverá prosseguir com a busca e prisão dos dois suspeitos que fugiram e com o depoimento do empresário, que deverá receber alta médica ainda nesta segunda-feira. "O Marcelo deve receber alta hoje, nesse momento ele deverá receber o conforto dos seus familiares, mas ainda essa semana deveremos marcar e ele será ouvido. Nós já temos o indicativo de autoria de outras duas pessoas, que teriam fugido do local, e estamos trabalhando para prender esses suspeitos o quanto antes", explicou.

Segundo o secretário de Segurança, Paulo Lima Júnior, todos têm ficha na polícia. "Longa, inclusive, mas devido às brechas na legislação foram soltos e voltaram a cometer crimes", criticou.

O sequestro

O empresário foi abordado por um grupo de homens armados e sequestrado em seu próprio carro, na tarde de sábado (13), no bairro do Farol, enquanto ia buscar a esposa numa faculdade particular que fica na região. Um vídeo mostra quando um dos suspeitos cai na rua, na frente do veículo, obrigando o condutor a parar.

De acordo com a polícia, os bandidos abasteceram o carro e saíram sem pagar, e ainda teriam praticado assaltos até serem localizados, perseguidos, e trocarem tiros com os agentes, na Avenida Josepha de Mello, bairro de Cruz das Almas.

"