Futebol

Equipe do PFC analisa Clássico das Multidões que começa a decidir estadual neste sábado

Redação TNH1 | 15/05/21 - 07h00 - Atualizado em 15/05/21 - 07h59
Divulgação/Ascom CRB

Pela sexta temporada seguida, CSA e CRB duelam pelo troféu do Campeonato Alagoano. Nas últimas cinco finais, foram três títulos do Galo, o atual campeão, e dois do Azulão. No certame deste ano, as duas equipes voltaram a fazer a melhor campanha da primeira fase, passaram das semifinais sem grandes dificuldades e se encontram novamente na decisão.

A equipe do Pajuçara Futebol Clube, o PFC, formada pelos radialistas César Pita, Marlon Araújo, Bruno Protasio e Júlio César Oliveira, disse ao TNH1 o que esperar do confronto entre os maiores rivais do Estado. A Rádio Pajuçara FM Maceió 103,7 transmite o primeiro jogo da final a partir de 17h deste sábado, no Estádio Rei Pelé.

O narrador César Pita acredita que os dois times estão motivados para a decisão. "A gente espera uma grande final. Não aponto favorito. O CSA já ganhou um clássico na temporada, ganhou motivação a mais com a troca de treinador, mas o CRB fez a melhor campanha da primeira fase e venceu os dois jogos contra seu adversário na semifinal".

O "Amigão da Galera" também ressaltou a importância do embate inicial, neste sábado, no Rei Pelé. "Acredito que quem largar bem no primeiro jogo dificilmente perderá o título estadual, por isso a partida de amanhã já ganha uma grande importância, é de fundamental importância". 

Podem mais

Para o comentarista Marlon Araújo, tanto CSA quanto CRB podem desempenhar um melhor futebol em relação ao que foi apresentado até agora.

"A expectativa para o clássico, já que vai se avizinhando o início da competição de maior dificuldade técnica e tática, que é a Série B, é a de que os times busquem uma evolução para não começar mal o outro torneio. CSA e CRB sabem que chegaram até a final sem jogar 50% daquilo que podem jogar. Teoricamente, jogaram para o gasto e conseguiram chegar, coisa que não era difícil de se prever".

Eles decidem

O comentarista "que o povo comenta" também destacou as peças importantes nos elencos marujo e regatiano, jogadores que podem ser protagonistas do clássico.

"O CRB precisa retomar ao que foi no início da temporada, aquela memória da temporada passada, com o reforço de alguns jogadores. Ficou visível na semifinal a importância que tem o Diego Torres para o Galo. Ele entra no jogo e decide, facilita o modelo de jogo do Roberto Fernandes. O Hyuri também participou muito bem no momento em que foi utilizado", destacou.

"No CSA, o Bruno Pivetti trouxe como novidade o Gabriel Tonini, jogador que foi destaque na classificação. E tem peças que estavam no departamento médico como o Pimpão, como o Gabriel, que já jogou parte do segundo tempo da semifinal, então as equipes têm peças para buscar a melhor performance. Além do título, as equipes buscam uma performance melhor do que aquilo que vem acontecendo", continuou.

Título de olho na Série B

Bruno Protasio, que vai ficar responsável pela reportagem do clássico, também reforçou a importância de ser campeão e apresentar um bom futebol para dar entusiasmo antes do início da longa competição nacional que os times encaram pela frente.

"Eu não vejo favoritismo para nenhum dos lados. E não é nem pela situação do clássico, é porque foram equipes que não convenceram na temporada, não mostraram regularidade. É um momento para se afirmar, para buscar o título e começar com moral a Série B, um gás e uma confiança para encarar a competição que vem depois".  

"O CSA fez uma partida de volta da semifinal mais tranquila, uma vitória mais convincente diante do CSE, pois aproveitou melhor o jogo e as oportunidades. Diferente do que foi a atuação do CRB contra o Aliança. Mas as duas equipes não mostraram desenvoltura no futebol", acrescentou.

Preparação das equipes

O repórter Júlio César Oliveira trouxe detalhes da preparação das equipes para a finalíssima. Do lado do CRB, ele destacou o retorno do técnico Roberto Fernandes, recuperado após internação por Covid-19. Já para o CSA, Bruno Pivetti terá reforços importantes iniciar o confronto.

"O Galo vinha com desfalque na lateral-direita, mas às vésperas do clássico houve uma notícia boa. Reginaldo Lopes deixou o Departamento Médico e agora fica à disposição. O atacante Erik, que não atua desde o ano passado, se recuperou de lesão no joelho e também pode ser opção. O CRB ganha mais um reforço importante, pois já recuperado da Covid-19, o técnico Roberto Fernandes volta a comandar o time nesta final. Diferente do jogo anterior, o Galo não deve poupar ninguém para este jogo e vai com força máxima para tentar vencer”.

“O Azulão vai a campo confiante, depois da chegada do técnico Bruno Pivetti, que vai para a terceira partida oficial no comando do time. O CSA também conta com reforço importante, já recuperado da Covid-19, o lateral-esquerdo Victor Costa fica à disposição para a partida. Caso ele não entre de primeira, o técnico azulino pode colocar o garoto Danilo ou improvisar alguém na posição. A expectativa é que o time jogue da mesma maneira do primeiro clássico (quando venceu o CRB por 1 a 0) com muita ofensividade para buscar o resultado positivo”, analisou Júlio César.

Maior campeão estadual, o CSA entra em campo para buscar o 40º título do torneio. Já o CRB, time que conquistou mais títulos na última década, tenta ser o melhor time alagoano pela 32ª vez. Então fique ligado na cobertura do PFC, com pré-jogo marcado para as 16h30, e vibre com emoção com o time que já nasceu campeão.