Maceió

Ex-alunos se despedem de escola histórica no bairro Bebedouro

07/11/20 - 16h35 - Atualizado em 11/11/20 - 17h12
Cortesia

Em clima de despedida e muita emoção, ex-alunos, ex-professores e atuais profissionais de educação se despediram, neste sábado, 7, do histórico Colégio Estadual Bom Conselho. Após mais de 140 anos de existência, o prédio histórico fundado em 1877 para ser o lar para as órfãs da Guerra do Paraguai está sob risco de desabamento por causa de  problemas geológicos provocados pela mineração da Braskem, que afetam os bairros de Bebedouro, Pinheiro, Mutange e Bom Parto. 

A direção do colégio suspendeu as atividades e visitação, e deve aguardar o possível preenchimento das minas da Braskem, além da estabilidade do solo, para que a instituição possa retomar futuramente as atividades, já que o prédio tem características de museu e guarda importante acervo histórico e arquitetônico.

“A primeira sensação é de revolta. Pois o Bom Conselho é a própria história de Alagoas. Foi criado para amparar as órfãs de alagoanos que lutaram na guerra do Paraguai. Depois tornou-se uma das escolas mais importantes de Alagoas. Formou muitos profissionais, mas acima de tudo homens e mulheres de caráter”, diz a professora Andréa Karla Medeiros, ex-aluna do Bom Conselho, onde estudou por 15 anos.

Diante da situação, ex-alunos se mobilizaram para uma última homenagem à antiga escola. “Uma ex-aluna chamada Neirivane, que hoje é bióloga e professora, fez um vídeo solitário, cantando o hino do Centenário do Colégio, na porta da escola e publicou nas redes. Ao ver aquilo resolvi me unir a ela, e montamos uma comissão para fazer a despedida”, continua Andréa Karla Medeiros.

Ela ficou sabendo das conversas entre a direção da escola e o Ministério Público Estadual (MPE) e que as chaves seriam entregues à Braskem em breve. “Solicitamos então uma intervenção para que pudéssemos visitar o acervo do Colégio pela última vez, isso ocorreu no último dia 24 de outubro”, conta Andréa. Nesse dia, cerca de 300 pessoas estiveram no prédio histórico.

O ponto alto das comemorações aconteceu neste sábado, 7, quando cerca de 400 pessoas participaram de uma celebração na Igreja Matriz de Santo Antônio, em Bebedouro, comandada pela  irmã Leônia, responsável por manter as atividades da escola ao longo dos anos.

Em seguida houve uma homenagem ao professor Elias Passos Tenório, já falecido, com a presença de seus familiares.

O evento culminou com um abraço coletivo ao prédio histórico, quando todos cantaram juntos o hino do Centenário da instituição.