Polícia

Fazendeiro que socorreu criança espancada diz que não desconfiava da violência do padrasto

TNH1 com TV Pajuçara | 26/04/21 - 10h45 - Atualizado em 26/04/21 - 11h41

O proprietário da fazenda onde trabalhava o homem suspeito de torturar e espancar o enteado, em Pão de Açúcar, destacou que não sabia das agressões cometidas pelo então empregado e que não desconfiava do comportamento violento dele com a família.

Em entrevista por videoconferência, gravada pela produção da TV Pajuçara, o fazendeiro Elias dos Anjos confirmou que o próprio padrasto da criança entrou em contato com ele para pedir ajuda na última semana. Elias socorreu o menino ferido e o levou ao posto de saúde da cidade.

Veja a entrevista:

"Eu diria que não teria sido ele. Pelo modo que ele tratava a gente, o modo de ele ser responsável. Tudo dele é com Cristo, sempre coloca Jesus na frente. Trata bem, sabe conversar, dialogar. Eu tive três vezes na fazenda e nunca ninguém me disse nada", contou, ao destacar que foi surpreendido pela confissão do homem.

Ainda segundo Elias, o suspeito, que trabalhava para ele há aproximadamente um mês, ao ligar pedindo apoio para socorrer a criança, inventou que o menino tinha levado um coice de um cavalo, para justificar os ferimentos. Logo depois, a mulher, também vítima de agressões, confirmou o que tinha acontecido para o fazendeiro.

"Ela me disse que ele tinha ciúme da criança, que ia fazer carinho no menino e, com isso, ele se enciumava", revelou Elias.

Além de bater no menino, o homem agredia a esposa e outra filha dela, de 9 anos. Ele segue preso, à disposição da Justiça.

Conselho Tutelar dá suporte para família

A conselheira tutelar Rose Karla, que acompanha o caso, disse à reportagem que foi informada sobre os maus-tratos na última quarta-feira e que já trabalha para que a família possa receber a assistência necessária.

"Tivemos ciência do caso na última quarta, através do Conselho Tutelar de Pão de Açúcar. Na quinta-feira, por volta de 10h da noite, o Conselho Tutelar entrou em contato novamente, informando que a mãe estaria de volta em Atalaia. Na sexta, entramos em contato com a assistente social do município, onde foi dado o suporte para a mãe voltar para Arapiraca, onde a criança se encontra hospitalizada", disse.

"A partir desta semana, daremos início a todo acolhimento da família, inicialmente com a criança que está em Atalaia, e posteriormente com a alta da outra criança, daremos continuidade com os atendimentos para minimizar os impactos psicológicos e físicos consequentes do fato", acrescentou.

Estado de saúde da criança

A criança de 5 anos que foi brutalmente espancada pelo padrasto teve constatada uma fratura na clavícula e foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca. Apesar da internação, o estado de saúde é considerado estável e a criança apresenta melhora gradativa, de acordo com o boletim médico desse domingo, 25. 

Depois de trocar os curativos, a equipe médica decidiu transferir a criança para a UTI com o propósito de oferecer um maior suporte ao procedimento e assegurar uma melhora mais efetiva na recuperação do paciente. O menino não foi intubado e também não houve necessidade de sedação.

"O paciente mostrou-se colaborativo, está se alimentando bem e apresenta melhora nos inchaços no corpo e na face. Os exames mostraram que o paciente apresenta uma fratura na clavícula e foi descartada fratura na face e no quadril, que tem um ferimento importante provocado por queimadura, mas o menino já apresenta melhora gradativa em seu quadro de saúde", diz o boletim médico de ontem.

Entenda o caso  

A criança deu entrada no HEA na noite da quarta-feira, 21, com vários hematomas, um ferimento profundo na nádega, além de suspeita de fratura no quadril. A princípio, a criança foi atendida em um posto de saúde de Pão de Açúcar sob a informação da própria mãe de que teria levado uma queda de cavalo.

A equipe médica desconfiou da versão e acionou a polícia. Indagada, a mãe confessou que, na verdade, o menino havia sido espancado pelo padrasto e que ela própria e a outra filha de 9 anos também eram vítimas do homem.

Antes de chegar no HEA, transferida de Pão de Açúcar, a criança ainda viveu momentos de tensão, após a ambulância em que ela viajava apresentar uma pane e pegar fogo. 

O padrasto da criança foi preso por policiais militares e sua prisão preventiva já foi solicitada pelo pela promotoria de Justiça de Pão de Açúcar. Ele confessou as agressões. Segundo a mãe da criança, ela e os dois filhos, o menino de 5 anos, e a menina de 9, eram constantemente espancados pelo homem. O alvo principal era o menino, por quem o homem nutria ciúmes devido ao tratamento carinhoso que a criança recebia da mãe.

De acordo com o Conselho Tutelar da região, a menina de 9 anos foi enviada para a casa da avó, em Atalaia, onde receberá atendimento e acompanhamento psicológico.