Polícia

Feminicídio: mulher é morta a facadas por ex na porta da casa de irmã, no Pilar

TNH1 | 08/01/22 - 10h16 - Atualizado em 08/01/22 - 10h41
Juliana foi assassinada a golpes de faca; ex-companheiro está foragido | Arquivo Pessoal

Um crime de feminicídio chocou os moradores do município de Pilar nessa sexta-feira, 07. A jovem Juliana Nascimento da Silva, de 24 anos, foi brutalmente assassinada a facadas pelo ex-companheiro na entrada da casa da irmã, em Chã do Pilar, após ter sido convidada por ele para conversar. O suspeito já foi identificado pela polícia, mas segue foragido.

Segundo informações do delegado Sidney Tenório, titular do 23º Distrito Policial, a vítima foi socorrida por familiares e levada ao hospital da cidade, porém não resistiu aos ferimentos. O casal havia se separado recentemente, após cerca de sete anos de relação amorosa.

"Ela estava separada do marido, um homem de 57 anos, com quem ela convivia há sete anos. Ela se separou dele e veio para Pilar, para tentar resguardar a integridade física. Quando na noite de sexta, este senhor esteve na casa da irmã da vítima, chamou ela para conversar na porta, mas durante a conversa, ele esfaqueou por várias vezes a vítima, que chegou a ser socorrida pelos familiares, mas veio a falecer", explicou Tenório.

Ainda de acordo com o delegado, a polícia já deu início às investigações e colhe depoimentos da família, além de pessoas próximas de Juliana. "Nós demos início na manhã deste sábado às investigações para apurar o feminicídio da Juliana, que era moradora de Maceió, mas foi assassinada na cidade de Pilar", iniciou.

"Nós já estamos colhendo depoimento da irmã, dos vizinhos que ajudaram no socorro, bem como já temos a identificação do autor. Espero que durante o fim de semana, a gente consiga o mandado [de prisão]", continuou.

Sidney Tenório destacou que a polícia já fez o pedido de prisão e busca capturar o homem o mais breve possível. "Só para tentar assegurar que o crime não ficará impune, a violência contra a mulher é prioridade para a Polícia Civil, e nós estamos investigando a fundo para dar resposta à sociedade", concluiu.