Alagoas

IBGE: AL registra queda no percentual de domicílios que receberam Bolsa Família

IBGE | 16/10/19 - 14h54 - Atualizado em 16/10/19 - 16h59
Semas

O IBGE divulga nesta quarta-feira (16) dados referentes ao rendimento de todas as fontes dos domicílios brasileiros em 2018, calculados com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). O levantamento leva em consideração tanto os rendimentos provenientes de atividades laborais como os de outras fontes (aposentadorias, pensões e bolsas).

De acordo com a pesquisa, Alagoas ocupa o posto de segundo menor rendimento médio mensal real domiciliar per capita do Brasil (R$ 708,00), a preços médios do último ano, permanecendo à frente apenas do Maranhão (R$ 607,00). A média nacional é de R$ 1.337,00. No último levantamento, o estado alagoano também figurou na penúltima colocação.

Além disso, Alagoas lidera o ranking referente ao percentual de domicílios que receberam dinheiro de Benefício de Prestação Continuada (BPC) (6,9%), mais que o dobro da média nacional (3,1%), apesar de ter registrado uma queda de 0,3% em relação ao ano passado. O segundo colocado é o Amazonas, com 6,8% dos domicílios recebendo o BPC.

Por outro lado, Alagoas registra uma queda no percentual de domicílios que receberam dinheiro do Bolsa Família, sendo 27,5% em 2016; 25,9% em 2017 e 25,1% em 2018. No âmbito nacional, o Estado ocupa a 11ª posição dos que mais contam com o programa do Governo Federal,

A PNAD Contínua também levantou dados referentes à aposentadoria, população residente e massa de rendimento, e produziu informações para o cálculo do Índice de Gini.

O QUE É A PNAD CONTÍNUA?

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) investiga, regularmente, informações sobre os rendimentos provenientes de todos os trabalhos e de outras fontes das pessoas residentes, possibilitando estudos relacionados tanto aos rendimentos provenientes de suas atividades laborais quanto ao rendimento total do domicílio. O rendimento de trabalho efetivo e habitualmente recebido no mês de referência é captado somente para as pessoas de 14 anos ou mais de idade. Tem como unidade de investigação o domicílio.

A PNAD Contínua foi implantada, experimentalmente, em outubro de 2011 e, a partir de janeiro de 2012, em caráter definitivo, em todo o Território Nacional. Sua amostra foi planejada de modo a produzir resultados para Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Regiões Metropolitanas que contêm Municípios das Capitais, Região Integrada de Desenvolvimento - RIDE Grande Teresina, e Municípios das Capitais. Desde sua implantação, a pesquisa, gradualmente, vem ampliando os indicadores investigados e divulgados.