Saúde

Incidência de Covid aumenta em 9 das 12 localidades analisadas em Alagoas, diz Observatório

O número de casos em investigação também é o maior nas últimas seis semanas

Eberth Lins | 10/05/21 - 10h43 - Atualizado em 10/05/21 - 10h59

Nove das 12 regiões analisadas pelo Observatório Alagoano de Políticas Públicas de Combate à Covid-19, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), apresentaram aumento na incidência de casos da doença. Ao contrário do que foi visto na semana anterior, o novo boletim do Observatório, obtido pelo TNH1 na manhã desta segunda-feira (10), pontua que "as evidências disponíveis continuam apontando um descontrole da transmissão do novo Coronavírus em Alagoas". 

Na análise, Maceió e Arapiraca, as duas maiores cidades do estado, são verificadas separadamente e desta vez ambas apresentaram redução na incidência de casos, além da 4ª Região.

Queda nos óbitos 

Durante a 18ª Semana Epidemiológica (SE) de 2021, isto é, entre os dias 03 e 09 de maio, foram notificados 128 óbitos causados pela Covid, número 18% menor que na semana anterior. Esse comportamento, no entanto, não foi verificado em indicadores importantes como ocupação hospitalar e incidência de casos. 

"A manutenção do número de casos e ocupação dos leitos de UTI, acompanhada do aumento do número de pessoas com sintomas de Covid, representado pelos casos suspeitos, são indícios de que a transmissão ainda não está controlada em Alagoas, o que exige a continuidade das medidas de controle para que não tenhamos que retroagir", ressaltou o coordenador do Observatório, Gabriel Bádue.

Alta de casos suspeitos 

Outro dado que chama atenção é que foram registrados 11.845 casos em investigação na 18ª SE. O número é o maior entre os observados nas últimas seis semanas, segundo o Observatório. Em relação à semana anterior, o número corresponde a um aumento de aproximadamente 18%. "Por outro lado, a proporção de resultados positivos entre os testes RT-PCR registrou o menor índice das últimas semanas, ainda que em um nível muito alto quando comparado com períodos de controle da transmissão. Dos 4.406 exames realizados na 18ª SE, 1.755 apresentaram resultados positivos para COVID-19, o que representa 40%", diz o Observatório.

Ocupação hospitalar 

Conforme o Observatório, a taxa de ocupação hospitalar em Alagoas na 18ª SE está em 74% e ainda é superior à margem de 70% preconizada pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste (C4NE) para a flexibilização de medidas de controle. "Além de estar acima do limite mencionado, a análise da distribuição espacial da ocupação ao longo do território alagoano evidencia a criticidade da situação em diversos pontos do estado", traz o relatório.

Vacinação segue lenta 

De acordo com levantamento do Observatório, somente 16% da população adulta de Alagoas está vacinada contra a Covid-19. Na 18ª SE foram aplicadas 60.455 doses, sendo 31.931 correspondente à primeira dose e 29.064 à segunda. "Apesar desse quantitativo representar o dobro do aplicado na semana anterior, está muito distante do ritmo necessário para que a imunização da população adulta alagoana seja concluída até o final do ano", reforça o documento.

"Estamos em um momento de instabilidade. A pandemia não está controlada e precisamos avançar a vacinação, mas o ritmo ainda é lento", complementou Gabriel Bádue.