Polícia

Justiça de Sergipe concede liberdade provisória para PM suspeito de matar soldado alagoano

Redação TNH1 | 21/09/20 - 16h39 - Atualizado em 21/09/20 - 16h58
Reprodução / Rede Social

A Justiça de Sergipe concedeu, nesta segunda-feira (21), liberdade provisória para o sargento da Polícia Militar suspeito de matar o soldado alagoano Cristyano Rondynelli Gomes Melo, de 34 anos, no último sábado (19), em Monte Alegre, no Sertão sergipano. As informações são do G1 SE.

De acordo com o site, na decisão da justiça sergipana foram aplicadas as seguintes medidas cautelares: comparecimento mensal em juízo; proibição de ausentar da Comarca, sem autorização judicial, por mais de 15 dias (ressalva a necessidade de internação hospitalar para tratamento de saúde); recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga; além da suspensão do exercício da função pública. 

O G1 SE diz ainda que o policial está preso no Presídio Militar (Presmil), em Aracaju, de onde deve ser liberado ainda nesta segunda-feira. 

Entenda o caso

O que era para ser um momento de confraternização terminou de forma trágica para o soldado alagoano, Cristyano Rondynelli Gomes Melo, de 34 anos, vítima de arma de fogo, nesse sábado (19), em Sergipe.

Segundo informações, o militar foi morto por um colega de farda, um sargento identificado como Mattias, após se desentenderem depois que deixaram uma festa no município de Monte Alegre, no Sertão sergipano.

O militar suspeito do crime foi preso em flagrante e a Polícia Militar de Sergipe informou que as condutas dos combatentes serão 'rigorosamente apuradas pela instituição".Nesta segunda-feira, a corporação também emitiu uma nota de pesar onde se solidariza com familiares e amigos do soldado. "O soldado Rondynelli ingressou na Corporação em 2015 e durante cinco anos cumpriu o seu dever como policial militar e defensor da sociedade. Muito respeitosamente, prestamos as nossas condolências e deixamos os nossos mais sinceros pêsames", trouxe a nota.

Natural de Santana do Ipanema, Cristyano Rondynelli era lotado no 7º Batalhão da Polícia Militar de Sergipe e estava na corporação desde 2015.  Ele deixa esposa e dois filhos. O sepultamento estava previsto para acontecer nesta segunda-feira, em Santana do Ipanema.