Saúde

Maceió atribui falta de doses às pessoas de outros municípios que se vacinaram na capital

TNH1 com MPF | 30/04/21 - 09h40 - Atualizado em 30/04/21 - 11h35
Arquivo

Uma reunião nessa quinta-feira (29), no Ministério Público Federal (MPF) em Alagoas, por meio do GT Covid-19, e em acompanhamento às ações estratégicas para operacionalização do Plano Estadual de Vacinação, discutiu, entre outros assuntos, a falta de doses da Coronavac na capital alagoana, diante do cenário de escassez de imunizantes e atraso na remessa. 

Conforme ajustado na reunião, a Secretaria Municipal de Saúde de Maceió (SMS) informará à Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (Sesau) a quantidade de doses de vacina que excedeu em razão de pessoas de outros municípios que se vacinaram na capital, o que teria levado à falta de doses para maceioenses.

A SMS, segundo disse o MPF, apresentará a relação dos municípios de onde vieram pessoas em busca de vacinação na capital. Por outro lado, Maceió passará a exigir comprovante de residência para evitar que a situação ocorra novamente, em cumprimento a uma determinação da Superintendência de Vigilância em Saúde (SUVISA), divulgada no último dia 24.

Na reunião foi pactuado ainda que a Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas repassará ao Município de Maceió a quantidade necessária para cobrir o excedente de segunda dose de CoronaVac referente ao dia 25 de abril e o integral do dia 26 de abril para aplicação segundo o novo prazo autorizado pela Resolução CIB n° 14/2021 (intervalo de 28 dias entre doses, e não mais 21 dias entre as doses de CoronaVac, cumprindo o período entre doses previsto pelo fabricante - Instituto Butantan).