Polícia

Maceió: PF prende suspeito de receber por correspondência quase R$ 3 mil em dinheiro falso

Ascom PF-AL | 22/09/21 - 13h41 - Atualizado em 22/09/21 - 18h29
Divulgação / Polícia Federal

A Polícia Federal em Alagoas prendeu em flagrante delito, na manhã desta quarta-feira, 22, um homem maior de idade no momento em que recebia correspondência contendo cédulas falsas em Maceió.

A inteligência da Polícia Federal alertou que uma encomenda poderia estar trazendo cédulas falsas para a capital alagoana através dos serviços de postagens dos Correios. 

De posse dessas informações, policiais federais deram início a diligências que pudessem levar à localização da encomenda e à identificação do destinatário da encomenda queria iria adquirir as cédulas falsas, buscando a confirmação da prática delituosa. 

O suspeito recebeu voz de prisão em flagrante pela prática de crime de moeda falsa, foi conduzido para a Sede da Polícia Federal em Alagoas onde confessou ter recebido mais de R$ 2.800,00(Dois mil oitocentos reais) em cédulas falsas.

Por se tratar de um crime federal, o suspeito e o material arrecadado foram encaminhados até a Sede da Polícia Federal em Alagoas para as providências de lavratura do flagrante delito pelo crime de moeda falsa, previsto no art. 289, § 1º, do Código Penal que prevê pena de reclusão de três a 12 anos e multa. 

O preso será encaminhado ao Sistema Prisional do Estado, após ser submetido a exame de corpo de delito, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Em nota, os Correios confirmam a ocorrência na data de hoje (22) e afirmaram que muitas dessas operações começam por meio do processo de fiscalização não-invasiva (raio-x) dos Correios, como na operação em questão.

"Ressaltamos que a estatal mantêm estreita parceria com todos os órgãos de segurança pública para prevenir o tráfego de itens proibidos, por meio do serviço postal. Os empregados atuam de forma diligente visando identificar postagens cujo conteúdo esteja em desacordo com a legislação. Quando algum objeto com conteúdo proibido ou ilícito é detectado, os Correios acionam os órgãos competentes. Muitas dessas operações começam por meio do processo de fiscalização não-invasiva (raio-x) dos Correios, como na operação em questão".