Maceió

Maceioenses gastam quase seis horas por semana no deslocamento para o trabalho

Assessoria IBGE | 07/05/21 - 12h38
Arquivo

As pessoas de 15 anos ou mais que viviam em Maceió e tinham uma ocupação em 2019 levavam, em média, 5,7 horas por semana para se deslocar ao trabalho, considerando os trajetos de ida e volta. No Nordeste, somente os moradores de Salvador (6,9 horas), Recife (6,1) e Fortaleza (5,8) precisavam de mais tempo que os maceioenses.

Os dados são do quinto volume da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019, divulgado nesta sexta-feira (07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O estudo, realizado em parceria com o Ministério da Saúde, apresenta, desta vez, resultados sobre acidentes, violência, doenças transmissíveis, atividade sexual, características do trabalho e apoio social.

Em Alagoas, o tempo médio observado foi de 4,5 horas semanais. No recorte por grupos de idade, os jovens alagoanos de 15 a 17 anos eram os que necessitavam de menos tempo (2,8 horas), enquanto os do grupo seguinte, de 18 a 29 anos, representavam o maior tempo de todos (5,2 horas).

A análise pelas classes de tempo de deslocamento diário da casa para o trabalho revelaram que 38% (385 mil pessoas) dos alagoanos levavam menos de 30 minutos no trajeto de casa até o trabalho, 26,1% (265 mil) levavam de 30 minutos até menos de uma hora, 22,1% (224 mil) de uma hora até menos de duas horas e 13,8% (139 mil) precisavam de duas horas ou mais.

Proporção de uso de cinto de segurança em Maceió está entre as maiores do país

A PNS também revelou que há diferença no uso do cinto de segurança quando se está no banco da frente ou de trás. Em Maceió, 95% das pessoas maiores de idade disseram sempre usar cinto de segurança quando dirigem ou andam de carro/automóvel no banco da frente, inclusive em táxi. Entre as capitais, somente em Recife (95,7%), Curitiba e Porto Alegre (ambas com 95,5), Florianópolis (95,4) e Vitóría (95,3) registraram proporção maior que a da capital alagoana.

Os dados também indicaram que quanto maior a idade, maior o uso. A proporção era de 89,4% entre as pessoas de 18 a 29 anos em Maceió e, do outro lado da ponta, alcançava 98% entre as pessoas com 60 anos ou mais. Em Alagoas, a média geral de pessoas que sempre usavam ficou em 83,7%. 

Por outro lado, a pesquisa mostrou que 68% das pessoas maiores de idade em Maceió sempre usavam cinto de segurança quando andam de carro/automóvel e estavam no banco de trás, inclusive táxi. Mais uma vez, a análise por grupos de idade revela diferenças. A proporção era de 56,8% entre os jovens de 18 a 29 anos de idade e de 78,5% para as pessoas de 60 anos ou mais. 

Uso de capacete na moto também é maior na capital Maceió

Em relação ao deslocamento com motocicletas, os dados apontaram que, em Alagoas, 68,6% das pessoas maiores de idade alegaram sempre utilizar capacete quando dirigem moto. Em Maceió, a proporção salta para 95,9%. 

Quanto maior a faixa etária, maior o uso. Apenas 62,1% dos jovens alagoanos de 18 a 29 anos revelou a utilização de capacete quando dirigem motocicleta, enquanto a proporção das pessoas de 40 a 59 anos ficou em 75,6%.