Maceió

Ministro do Meio Ambiente sobrevoa litoral alagoano nesta quarta para monitorar manchas de óleo

Redação TNH1 | 16/10/19 - 13h14 - Atualizado em 16/10/19 - 14h42
Ministro do Meio Ambiente esteve na Bahia nesta manhã | Divulgação / Twitter Ricardo Salles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobrevoa o litoral alagoano na tarde desta quarta-feira (16) para monitorar as manchas de petróleo que têm atingido toda a costa nordestina desde o início do mês de setembro. Salles desembarcou no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, em Rio Largo, por volta das 14h. 

Ricardo Salles segue de helicóptero para o município de Japaratinga, no Litoral Norte de Alagoas, onde vai vistoriar as praias com o vice-governador do Estado, Luciano Barbosa, o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Fernando Pereira, e representantes do Instituto do Meio Ambiente. Logo em seguida, o ministro vai para a Base Aérea. 

Pelo período da manhã, Salles esteve coordenando ações de identificação, recolhimento e destinação do óleo na Bahia com o IBAMA, ANP, Marinha e Defesa Civil.  

Salles foi questionado sobre a ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal da Bahia, que veem 'omissão' na demora em adotar medidas de proteção e em decorrência das consequências e riscos ambientais provenientes do vazamento de óleo moveram ação contra a União e o IBAMA. 

“Não há demora de nenhum órgão, tanto o ibama, quanto o ICMBio e a Marinha os órgãos estão trabalhado de forma ininterruptas desde o início do aparecimento das manchas. Não se poupou nenhum esforço. Problema é que é um caso sem precedentes, cuja a origem do óleo é desconhecida, já se sabe que não é brasileiro, que tem provavelmente origem venezuelana, mas não se sabe como vazou para o litoral brasileiro. Isso dificulta as medidas de contenção. Aquelas medidas de contenção que podem ser pertinentes em casos de acidente que são conhecida a origem, não são necessariamente pertinentes no caso de poluição difusa como estamos vendo aqui”, respondeu o ministro.

O ministro do meio ambiente também foi abordado sobre uma possível falta de planos de contingenciamento em alguns locais para tentar evitar maiores danos em áreas sensíveis, como os manguezais.  

“Ao contrário de alguns que querem polemizar e politizar uma questão como essa, nós temos agido com absoluta técnica, e do ponto de vista técnico todos os nossos esforços estão sendo colocados em prática desde o dia 2 de setembro. É dessa maneira que nós vamos fazer e contamos muito com a colaboração dos estados e municípios para resolver um problema tão importante quanto esse daqui”, comentou Salles.