Maceió

Moradores de áreas no Pinheiro, Mutange e Bebedouro devem ser realocados

Deborah Freire com Secom Maceió | 07/06/19 - 11h12 - Atualizado em 07/06/19 - 11h40
TNH1

O Mapa de Setorização de Danos e de Linhas de Ações Prioritárias dos bairros Pinheiro, Mutange e Bebedouro, que sofrem com o afundamento de solo provocado pela mineração da Braskem, segundo conclusão do Serviço Geológico do Brasil, mostra que os moradores de quase toda a região devem ser realocados.

O documento foi divulgado nesta sexta (7) pela Prefeitura de Maceió, mas uma entrevista coletiva que estava marcada para esta manhã para tratar o assunto foi cancelada.

De acordo com a descrição de cada área estudada, a recomendação da Defesa Civil é de realocar quem mora em parte do Pinheiro (área verde clara do mapa), parte do Mutange e conjunto Jardim das Alagoas (área rosa claro), Gruta do Padre também no Mutange, e Cardoso, em Bebedouro (rosa escuro), e a parte em azul claro no Mutange.

No Pinheiro, a maior parte dos moradores de áreas de risco já deixou suas casas e recebe o aluguel social, no valor de R$ 1 mil, pago com recursos do governo federal.

Devem ser monitorados, com possibilidade de realocamento: parte do Pinheiro (em verde escuro) e parte do Mutange (em azul escuro).

A finalidade do mapa é orientar a população das áreas afetadas a adotar medidas de autoproteção até que todas as ações do Plano Integrado estejam em execução.

O Plano tem objetivo de minimizar os riscos à população dessas áreas, de garantir o monitoramento da região e de mensurar se é viável habitar na região e conviver com os riscos que afetam esses bairros.

"