Maceió

Moradores do Bom Parto bloqueiam vias e protestam contra 'abandono' do bairro

Redação TNH1 | 18/10/21 - 18h07 - Atualizado em 19/10/21 - 12h52

Moradores do bairro Bom Parto fizeram protesto, no início da noite desta segunda-feira, 18, e bloquearam o cruzamento da Avenida Leste/Oeste com a rua General Hermes, no Bom Parto. Eles reclamam que o bairro ficou iniviável após os problemas de afundamento de solo que levaram à evacuação de milhares de famílias que residiam na região. Segundo eles, assaltos, falta de energia, falta de escolas e creches são alguns dos problemas enfrentados pelos moradores. Os manifestantes cobraram a transferência para outros bairros e solicitaram a presença de representantes da Braskem.

O bloqueio causou grande congestionamento na região do Centro, Farol, Bebedouro, Farol, Cambona e Dique Estrada. A Polícia Militar esteve no local para tentar negociar com os manifestantes. Após uma conversa com as lideranças do movimento, as vias foram liberadas.  

Defesa Civil - Por meio de nota, a Defesa Civil informou que seus técnicos estiveram no local e fizeram vistorias, além disso, eles mantêm contato com a família. Leia a nota na íntegra:

A Defesa Civil de Maceió e o GGI dos Bairros atuam desde sábado na ocorrência. Os técnicos da Defesa Civil estiveram no local e fizeram vistorias, além disso, eles mantêm contato com a família. Nesta segunda-feira, uma equipe da diretoria social do órgão também esteve no local, assim como os coordenadores da Defesa Civil e do GGI dos Bairros, que, na ocasião, conversaram com os proprietários do imóvel. O caso segue sendo acompanhado pelos órgãos, visando recomendar as medidas necessárias para a segurança da família.

Braskem - Em nota, a Braskem disse que respeita o direito de manifestação pacífica e reitera o compromisso com a segurança dos moradores dos bairros afetados pelo fenômeno geológico. A empresa ressalta, ainda, que atua na área delimitada pela Defesa Civil como zona de criticidade 00 – que exige realocação imediata – e zona de criticidade 01, que determina monitoramento e não exige mudança imediata.

Leia a nota na integra: 

A Braskem atua na área delimitada pela Defesa Civil como zona de criticidade 00 – que exige realocação imediata – e zona de criticidade 01, que determina monitoramento e não exige mudança imediata. A empresa mantém diálogo permanente com as autoridades, na busca das melhores soluções para os moradores e comerciantes atendidos pelo Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação.

Em dezembro de 2020, a Braskem assinou um acordo que prevê recursos e tratativas nos aspectos sociais, ambientais e de mobilidade. Empresas especializadas estão realizando os diagnósticos nas áreas de entorno do mapa de desocupação para compreender as alterações nas dinâmicas sociais e de mobilidade e sugerir propostas de ações, a partir de escutas da comunidade.

A Braskem respeita o direito de manifestação pacífica e reitera o seu compromisso com a segurança dos moradores dos bairros afetados pelo fenômeno geológico, propondo e executando as ações necessárias para isso.