Maceió

Motorista de app é resgatado por família após ser abandonado em Sergipe

TNH1 | 25/09/20 - 08h47 - Atualizado em 25/09/20 - 13h54
Divulgação

O motorista de aplicativo Marcel Wallacy Mota da Silva foi resgatado pela família depois de ser deixado por criminosos nas proximidades do município de Estância, a 66 quilômetros de Aracaju, na tarde dessa quinta-feira (24). Ele estava desaparecido desde a manhã de quarta, 23, quando foi realizar uma corrida particular no Litoral Sul de Alagoas. 

Segundo um parente da vítima, Marcel passa bem apesar do susto. Ele confirmou que foi abandonado pelos sequestradores e teve que pedir ajuda para um caminhoneiro que passava pela estrada, em direção à capital sergipana, para fazer um telefonema para família. A vítima então indicou o endereço que estava aos familiares.

"Levaram o celular dele, não sei se levaram documentos ou outras coisas. Ainda não sei de muitos detalhes, eu não tomei conhecimento do que aconteceu dentro do carro, mas ele está bem, está com a família", disse à reportagem.

Nessa quinta, a família relatou ao TNH1 que Marcel dirigia um veículo Volkswagen Gol, modelo G6, de cor branca, quando foi fazer uma corrida por volta de 11h da manhã de quarta até a Praia do Gunga, em Roteiro, e não entrou mais em contato. O carro que Marcel conduzia foi deixado em um supermercado, no bairro de Mangabeiras.

A família destacou também que o veículo era locado e ele paga a diária do veículo. A esposa do motorista havia entrado em contato com o proprietário do automóvel, que relatou ter sido comunicado pelo perfil de Marcel no messenger do Facebook ainda na quarta.

"O Marcel disse que o carro é seu, você pode pegar no Extra da Mangabeiras, e ele só vai entrar em contato quando a gente devolver o celular dele'. Foi o que eles disseram e pronto, mais nada. O dono do carro foi no Extra da Mangabeiras e pegou o carro. Estava sem a chave e sem o estepe", relatou um familiar.

Também ontem, a família havia registrado o Boletim de Ocorrência na Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) da Polícia Civil, na parte alta da capital alagoana.