Polícia

Mulher morre em Maceió após procedimento estético clandestino para silicone nas nádegas

João Victor Souza com Rádio Pajuçara FM Maceió | 04/02/21 - 08h43 - Atualizado em 04/02/21 - 12h03
Suzana Thaís foi levada ao HGE após passar mal | Itawi Albuquerque/TNH1

Uma mulher de 33 anos, identificada como Suzana Thaís Ferreira da Silva, morreu após colocar implantes de silicone nas nádegas fora de ambiente hospitalar, em um resort no Litoral Norte da capital alagoana. A suspeita de aplicar a substância, que estava hospedada no local, já foi identificada pela polícia.

De acordo com o delegado Robervaldo Davino, em entrevista à Rádio Pajuçara FM Maceió, a vítima passou mal ao chegar em casa, em Chã da Jaqueira, horas depois do procedimento irregular de gluteoplastia, e foi levada pelo esposo para o Hospital Geral do Estado (HGE) ainda no sábado, 30, mesmo dia que houve a intervenção. Na madrugada de domingo, 31, Suzana Thaís morreu na unidade de saúde.

"Ela alegou que estava se sentindo mal, estava perdendo a voz. No HGE, os médicos constataram embolia pulmonar, porém não tinha vaga para ela na UTI. Ela ficou no aguardo na área vermelha, mas veio a falecer na madrugada de domingo", disse o delegado.

"O exame do IML confirmou que ela morreu em virtude do produto que foi injetado nela; Nós ainda estamos trabalhando para identificar qual substância foi usada na mulher", acrescentou.

Ainda segundo Davino, a vítima tomou conhecimento do procedimento estético ao ver o anúncio na internet. Ela fez contato com a suspeita e negociou a aplicação do silicone por aproximadamente R$ 4 mil.

O delegado confirmou também que a mulher foi identificada como Marisângela, e deixou o resort um dia depois de atender Suzana Thaís.

"Ouvimos o marido da Suzana e fomos ao resort onde foi aplicado o produto. Nós fomos informados pela equipe do resort que a mulher saiu do local às pressas no domingo, entendemos que ela soube da morte da mulher e fugiu. O dono do resort passou todos os detalhes de como era o comportamento dessa mulher", disse.

"Já estamos sabendo que ela vai para outras cidades, para outros Estados, para aplicar o produto. Sabemos de tudo dela, sobre a conta bancária.... O caso está esclarecido", continuou Davino.

Ouça a entrevista na íntegra:

Atendimento em hospital

O HGE informou, por meio de nota, que a paciente Suzana morreu às 2h30 do domingo. De acordo com o comunicado, a mulher foi admitida no dia anterior, às 23h14, com suspeita de embolia pulmonar e sepse, sendo assistida pela equipe multidisciplinar da Área Amarela.

Riscos da gluteoplastia

Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é um dos países que mais realizam cirurgias plásticas. Somente em 2015 foram realizados 1,2 milhão de procedimentos estéticos. Nesse cenário, um dos procedimentos cuja procura tem aumentado é a gluteoplastia.

A cirurgia serve para aumentar ou dar mais firmeza para os glúteos. Além disso, também é possível modelar o bumbum, deixando-o com formato mais arredondado. A alta na demanda da cirurgia chega a 60%, desde 2010. Entre os principais fatores está o histórico “culto ao bumbum” que existe no Brasil.

Quem se submete a uma gluteoplastia está sujeito a riscos. Entre as mais comuns estão as fibroses. Elas são como uma cicatriz interna. Na pele, elas se parecem com cistos ou caroços.

Outro problema habitual é a abertura dos pontos. Como toda cirurgia é feita a partir de incisões, vamos ter cicatrizes e não é raro que pequenos pontos se abram depois do procedimento. Também é possível que a cicatriz da plástica no bumbum resulte em cicatrizes queloides e hematomas. Essas complicações são tratáveis nas primeiras semanas de pós operatório e, geralmente, não afetam a recuperação nem o resultado final.

Veja outros problemas:

  • Rejeição da prótese: Em cerca de 7% dos casos, a prótese colocada no bumbum é rejeitada pelo corpo. Somente a retirada do silicone pode corrigir essa adversidade.
  • Infecção: Ocorre principalmente quando a cirurgia é realizada com materiais inadequados. Equipamentos não esterilizados corretamente e locais com sujeira são duas das principais causas de infecções. Procure sempre um cirurgião plástico da SBCP e nunca realize uma cirugia na casa, apartamento ou qualquer outro local que não seja um hospital.
  • Embolia pulmonar: Esse é um caso bastante incomum, mas já foi observado. A doença surge quando uma artéria do pulmão é bloqueada por um coágulo sanguíneo. O problema gera falta de ar, dor no peito e há risco de morte. Porém, se o tratamento ocorrer rápido, esse risco diminui bastante.