Polícia

Mulheres são presas em confusão por som alto, em Viçosa; polícia apura suposto abuso de PMs

Redação TNH1 | 06/12/21 - 14h18 - Atualizado em 06/12/21 - 15h15
Reprodução

Uma ocorrência de perturbação de sossego na madrugada do último domingo, 5, terminou com duas mulheres presas na cidade de Viçosa, no interior de Alagoas. Uma delas apresentava um ferimento na perna, informou o delegado Igor Diego, responsável pelo plantão na delegacia da Polícia Civil de Murici, onde foi registrada a prisão em flagrante. 

Em vídeo enviado ao programa Fique Alerta, da TV Pajuçara/Record TV, o delegado explicou que, na versão dos policiais militares, moradores denunciaram por diversas vezes o uso de som alto em uma festa no local da ocorrência. 

"Na madrugada de sábado para domingo, duas mulheres foram presas em Viçosa e levadas para o plantão em Murici. De acordo com a PM, diversas ligações foram feitas, informando que o som estava muito alto incomodando a população local de um povoado em Viçosa. 

Os policiais foram ao local e solicitaram o desligamento de som. O equipamento foi desmontado. Ninguém foi preso e o som não foi apreendido. Cerca de 40 minutos depois, diversas ligações informaram que os moradores haviam ligado o som, que estava alto de tal maneira que toda a comunidade estava incomodada", disse o delegado. 

"Os PMs foram ao local de novo, duas mulheres responsáveis pelo local da festa, disseram que os policiais eram verdadeiros palhaços e estariam atrapalhando a festa. Os PMs disseram que era necessário desligar o som, pois estava incomodando a vizinhança. As mulheres começaram a xingar os policiais. Um policial, ao tentar passar por elas para apreender o som, começou a ser agredido pelas mulheres. Houve uma confusão generalizada, já que havia diversas pessoas no local. Os policiais disseram que precisaram usar munição elastômetro para dispersar as pessoas que estavam na festa e estavam partindo para cima dos policiais e os xingando", continuou o delegado. 

Imagens que circulam nas redes sociais e foram recebidas pela reportagem do TNH1 mostram partes da confusão. Em um primeiro momento, duas mulheres discutem com os policiais e todas as partes começam a trocar empurrões. Já em um segundo momento do vídeo, uma das mulheres aparece caída com um ferimento na perna esquerda, a imagem mostra muito sangue espalhado pelo chão. "Isso foi a polícia de Viçosa. A gente estava brincando de bem, não tinha som ligado", diz uma mulher que faz a filmagem. 

"Importante ressaltar que as imagens que estão circulando nas redes sociais só foram divulgadas recentemente. No momento da realização do auto de prisão em flagrante, essas imagens não foram apresentadas e nem eram de conhecimento da Polícia Civil. Então, o auto de prisão em flagrante foi realizado com base no depoimento dos policiais militares que participaram da diligência, bem como das duas mulheres que foram conduzidas para a delegacia. Inclusive, as mulheres alegaram que não estavam com documentos e a identificação delas teve um pouco de dificuldade por falta de documentação e informação precisa. Importante esclarecer também que no momento em que foi realizado o auto de prisão em flagrante, uma das mulheres estava com um ferimento na perna, mas em nenhum momento ela quis dizer exatamente como foi causado esse ferimento na perna dela, nem ela disse se foi atingida por algum disparo de arma e atingido por uma munição de verdade, bala de borracha ou algum outro metal que tivesse causado esse ferimento nela. Tudo isso será apurado pela delegacia de Viçosa e encaminhado ao poder judiciário", afirmou o delegado Igor Diego. 

O delegado esclareceu que as mulheres foram autuadas por desacato, resistência e perturbação do sossego alheio, mas liberadas pela Justiça em seguida. "O poder judiciário, ao tomar conhecimento, concedeu liberdade às mulheres para que respondam em liberdade, bem como notificou a corregedoria da Polícia Militar para apurar os fatos. E a delegacia de Viçosa irá conduzir o restante das investigações".