Maceió

'Não podemos garantir a integridade de imóveis e pessoas no bairro', diz CPRM

Redação TNH1 | 08/05/19 - 10h53 - Atualizado em 08/05/19 - 11h08

Após afirmar que há sim uma ligação entre o serviço de extração de salgema pela Braskem e a instabilidade no solo do bairro do Pinheiro e região, o assessor de hidrologia e gestão territorial da CPRM, Thales Sampaio, falou sobre o risco para os moradores da área. 

Acompanhe ao vivo audiência de divulgação do relatório da CPRM.

“Não podemos garantir  a integridade de imóveis e pessoas no bairro. O que não significa dizer que as pessoas precisem sair correndo,  não precisa de atropelamento.  Isso será tratado pela Defesa Civil nacional, municipal e estadual. Pedimos um voto de confiança ao Serviço Geológico do Brasil”, disse oespecialista, reforçando que é possível estabilizar o bairro.

"Após levantamentos profundos, acho que sim, é possível promover um processo de estabilização do Pinheiro, mas foge à alçada do Serviço Geológico do Brasil, por isso pode não corresponder a verdade", concluiu.

Respondendo a pergunta de um morador, o especialista ainda ressaltou que houve uma ampliação da área de risco.

O resultado do relatório sobre a instabilidade no solo do bairro – que começou em março do ano passado após um tremor de terra – foi apresentado em audiência pública na manhã desta quarta-feira, 08, no auditório da Justiça Federal.