Polícia

'Não tem dor maior para uma mãe do que viver sem saber onde está seu filho', diz mãe de Jonas Seixas

Eberth Lins | 05/11/20 - 11h35 - Atualizado em 05/11/20 - 11h38
Foto: Reprodução / Redes Sociais

Na próxima segunda-feira (09) completa um mês do desaparecimento do servente de pedreiro Jonas Seixas da Silva, de 32 anos. Ele está sumido desde que foi alvo de uma abordagem polícial, na Grota do Cigano, no bairro Jacintinho, em Maceió. 

Nesta semana, familiares e vizinhos que testemunharam a abordagem foram ouvidos pela polícia. A mãe do jovem, a guia de turismo Claudineide Seixa, disse acreditar que ele ainda esteja vivo e segue clamando por respostas das autoridades.

"Quando me chamaram na polícia, pensei que ia receber uma notícia sobre ele, mas até agora não tem nada de novo, nenhuma novidade. O que sei é que meu filho foi abordado pela polícia e, mesmo sem acharem nada com ele, o levaram numa viatura alegando que existia um mandado de prisão", contou ao TNH1

Segundo a mãe do rapaz, Jonas Seixas tinha sido preso em 2010 por envolvimento com o tráfico de drogas e ficou quatro anos no Sistema Prisional. "Todo mundo sabe que existe um preconceito grande com ex-presidiário, mas ele estava tentando fazer as coisas corretas e quem o conhece sabe que é de confiança e incapaz de pegar algo ou fazer mal para alguém", acrescentou dizendo que Jonas vivia de pequenos bicos. 

Na tentativa de chamar atenção para o desaparecimento, familiares e amigos estão se organizando para um novo protesto na segunda (09), no Centro de Maceió.

"Não é possível todo esse tempo e nada. Não existe dor maior para uma mãe do que viver sem saber o que se passa e onde está seu filho", afirmou abalada. "De onde ele foi levado, todos gostam do meu filho, ele não tem problemas com ninguém", disse.

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Alagoas (OAB/AL) está acompanhado o caso. Após solicitação do Ministério Público do Estado (MPE), a Polícia Civil (PC) criou uma grupo para investigar o desaparecimento. O trabalho está sendo conduzido pelos pelos delegados Eduardo Mero, Rosimeire Vieira e Bruno Emílio.

Quem tiver informações que possam ajudar a localizar Jonas Seixas pode entrar em contato por meio do número 190, além do Disque Denúncia, no 181. A identidade do colaborador é preservada pela polícia.