Polícia

'Nível doentio', diz delegado sobre suspeito que criou 150 perfis falsos para atacar ex-noiva de Gabriel Diniz

Redação TNH1 com TV Pajuçara | 31/08/20 - 16h21 - Atualizado em 31/08/20 - 16h49
Reprodução / Instagram

O trabalho integrado entre as Polícias Civis de Alagoas e do Pará resultou na prisão e busca domiciliar, na manhã desta segunda-feira (31), contra um homem residente na cidade de Castanhal (PA). Ele estava sendo investigado por crimes de ameaça, injúria, difamação e importunação sexual contra a digital influencer Karol Calheiros, ex-noiva do cantor Gabriel Diniz.

Em entrevista ao programa Fique Alerta, da TV Pajuçara, o delegado José Carlos, titular da Seção de Crimes Cibernéticos, da Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC), afirmou que o nível das ofensas era "doentio". 

"Era um curiosidade nossa, confesso, porque o nível doentio era absurdo, eram ofensas diárias, das mais abjetas possíveis, inclusive, com importunações sexuais. Ele foi interrogado, confessou os crimes e alegou que não era fã do cantor Gabriel Diniz, passou somente a acompanhar a Karol após a morte do cantor. E disse que se sentia sozinho e resolveu passar a injuriar e importunar a Karol", disse o delegado.

As investigações foram promovidas pela Seção de Crimes Cibernéticos, da DEIC, após a vítima fazer um desabafo público que ganhou repercussão nacional e registrar a ocorrência na unidade especializada da Polícia Civil alagoana.

Segundo o delegado José Carlos, o envolvido criou mais de 150 perfis falsos nas redes sociais para atacar diariamente a vítima, sendo identificado após trabalho técnico conjunto entre as polícias de Alagoas e do Pará.

Os mandados de prisão e busca domiciliar foram cumpridos pela PC do estado do Pará, por meio do Núcleo de Apoio a Investigação (NAI/Castanhal), sob coordenação do delegado Francisco Alairton Marinho Júnior.

“Interrogado pela Polícia Civil paraense, o investigado confessou os crimes e isentou outros suspeitos. A prisão temporária foi decretada por cinco dias pelo Juízo da 10ª Vara Criminal de Maceió (AL). O investigado segue preso na cidade de Castanhal à disposição da Justiça”, frisou o delegado José Carlos da PC de Alagoas.

Veja a entrevista completa com o delegado José Carlos.