Polícia

Operação da PC prende suspeitos de homicídio em Chã de Bebedouro; um morreu em confronto

Redação TNH1 | 30/12/20 - 07h39 - Atualizado em 30/12/20 - 07h47
Imagem ilustrativa | Ascom PC-AL

Uma operação da Polícia Civil, na madrugada desta quarta-feira (30), prendeu dois suspeitos de homicídio ocorrido na quinta-feira (24) da semana passada em Chã de Bebedouro, em Maceió. Um terceiro suspeito entrou em confronto com os policiais e foi morto na operação. 

Em entrevista ao Balanço Geral Alagoas, da TV Pajuçara, o delegado Antônio Henrique deu mais detalhes sobre o caso. 

"(Presos) Eles têm envolvimento direto, inclusive tem filmagens. Um deles aparece apontando, enquanto o outro aparece executando a vítima. Execução com disparos de arma de fogo. Os dois estavam na mesma região, inclusive, em residências muito próximas. São maiores de idade. O mandante é um traficante que comanda o tráfico da região. Acredito que a gente consiga mais elementos com essas prisões e consiga indiciá-los em outros delitos, já que também existem outras denúncias".

"A dinâmica do delito foi o seguinte: na véspera do Natal, a vítima executada era oriunda desse bairro, mas estava residindo no bairro de Ouro Preto. Ele veio visitar a família. A disputa do tráfico é intensa e esse indivíduo seria uma ameaça para esses criminosos. Com o retorno dele, eles aproveitaram e executaram a vítima, tanto que não se preocuparam que estavam próximos da delegacia. Um dos elementos foi abatido porque houve confronto com as equipes. Ele era o executor do delito. Com esses três, nós fechamos a autoria do crime, que está esclarecido", afirmou o delegado.  

Ainda de acordo com o delegado Antônio Henrique, um dos suspeitos presos tentou destruir o celular antes de ser detido pelos policiais. 

"Houve apreensão de elementos de convicção, como as vestimentas que aparecem nas filmagens no dia do crime. O celular de um deles também foi apreendido. Quando estávamos para realizar a prisão, um deles tentou quebrá-lo, mas conseguimos apreender. Vamos efetuar as perícias, porque tenho quase certeza que dentro desse celular".

Além de agentes da Delegacia de Homicídios, também participaram da operação policiais do Tigre e da Operação Policial Litorânea Integrada (Oplit).