Polícia

Operação Narandiba: Coaf identificou movimentações financeiras suspeitas nos municípios

Eberth Lins com TV Pajuçara | 05/02/19 - 12h17 - Atualizado em 05/02/19 - 15h49

O delegado Agnaldo Mendonça, responsável pelas investigações da Operação Narandiba, da Polícia Federal (PF), que apura desvios de mais de R$ 4 milhões nos municípios de Pilar e São Luís do Quitunde, afirmou que em uma das cidades investigadas o esquema foi praticado pela atual gestão da Prefeitura.

Questionado pelo repórter Henrique Pereira, da TV Pajuçara, se o esquema é referente a gestões anteriores, o delegado respondeu: “Na verdade, em uma cidade isso pode ter acontecido, mas em outra não”, afirmou Agnaldo Mendonça, sem informar o nome do município.

De acordo com o delegado, o esquema foi revelado a partir de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, que apontavam movimentações suspeitas de dinheiro nos municípios.

“A Polícia Federal recebeu do Coaf movimentações financeiras suspeitas. São elementos que viabilizaram o entendimento de desvios de recursos púbicos e fraudes em licitação nos municípios”, pontuou.

Com as investigações, três servidores públicos dos municípios foram afastados das atividades.

Na manhã desta terça-feira (05), o TNH1 entrou em contato com as prefeituras de São Luís do Quitunde e Pilar, que foram enfáticas ao responder que os desvios constatados na Operação Narandiba correspondem a gestões anteriores.

A Operação Narandiba foi desencadeada no início desta terça-feira e cumpriu 18 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de integrar um grupo criminoso acusado de lavagem de dinheiro e fraude licitatória. O nome da operação, conforme o delegado, é uma referência ao uso de “laranjas” para desvio de recursos públicos.

Por meio de sua assessoria, a Prefeitura de Pilar informou que as irregularidades identificadas não são da atual gestão municipal.