Polícia

Polícia Civil investiga participação de mais agentes e militares em crimes de extorsão

Redação do TNH1 com TV Pajuçara | 12/11/19 - 12h50 - Atualizado em 12/11/19 - 13h22
Reprodução Vídeo

A Polícia Civil investiga se há a participação de mais policiais em uma série de crimes cometidos por um grupo de pessoas, entre elas policiais civis e um militar, que usou fardamentos e viaturas da polícia para extorquir comerciantes em Maceió. A informação foi passada pelo delegado Fábio Costa durante uma entrevista coletiva realizada na manhã desta terça-feira (12).

“É possível que outros policiais tenham envolvimento com este grupo. As investigações continuam, nós estamos recebendo várias denúncias de crimes semelhantes e estamos investigando isso de forma imparcial, sem qualquer tipo de direcionamento”, disse o delegado.

Costa disse ainda que o inquérito do caso é composto por farta documentação, que comprova o envolvimento dos suspeitos e que a participação de policiais, apesar de causar surpresa, não atinge as instituições.

“Recebemos o material com surpresa. Mas nosso intuito é investigar. Realizamos a investigação imparcial, mas recebemos farto material, probatório. Apesar disso, o envolvimento deles não mancha a instituição [Polícia], porque nós mostramos que esses casos serão punidos com os rigores da lei”, afirmou.

Já o delegado Thiago Prado, que também investiga o caso, afirmou que o grupo continuou agindo após a primeira fase da operação, ocorrida em 25 julho deste ano, quando quatro pessoas, entre elas um policial civil e um militar, foram presas pelos crimes.

“Após a prisão dos primeiros envolvidos o grupo continuou agindo de forma reiterada, onde usava distintivos da Polícia Civil. Na fase de hoje, nós cumprimos cinco mandados de prisão. Quatro pressoas foram presas e um fugiu”, revelou o delegado.

Cayo Rodrigues, delegado que também participa da investigação, lembrou o caso registrado por câmeras de segurança de um condomínio residencial, onde o grupo levou dinheiro e joias para não “investigar” a vítima.

“Nessa ação eles levaram R$ 20 mil e joias, de uma pessoa que morava num condomínio, para não realizar procedimentos contra aquela pessoa. Nesse crime eles usam o aparato estatal, uma viatura, o fardamento. Todas as medidas já foram tomadas, os depoimentos das vítimas foram prestados”. Relatou.

Operação Navalha

Ontem, a polícia prendeu quatro agentes da Polícia Civil de Alagoas, suspeitos de extorsão e de integrar uma organização criminosa com atuação em feiras de Maceió.

Os presos são: Gabriel Yuri Gomes dos Santos Rocha, Samarone Mendes Gonçalves, Austerlígenes da Silva Souto e Max Antônio de Andrade. Eles foram alvos de mandados de prisão preventiva expedidos pela 17ª Vara criminal.

O homem considerado foragido é Juarez José da Silva. Ele se passava por policial nas ações criminosas do grupo. Os dois também tiveram prisão preventiva decretada.

Já o policial militar Carlos Alberto Tenório Cavalcante Filho foi preso com Laryssa Manuela Magalhães da Silva na primeira fase da operação policial, quando foram flagrados no Mercado da Produção, na capital alagoana, portando armas e distintivos, trajando uniformes da Polícia Civil de Alagoas e de posse de veículo identificado como viatura.

De acordo com a Polícia Civil, eles estariam praticando o crime de concussão, isto é, exigindo vantagens indevidas de comerciantes do local.

"