Polícia

Polícia desarticula laboratório de cocaína em Rio Largo e fala em 'migração' do tráfico

Erik Maia / Deborah Freire | 20/08/19 - 12h04 - Atualizado em 20/08/19 - 12h13
TNH1

Duas casas interligadas na cidade de Rio Largo usadas como laboratório de refino de pasta base de cocaína foram alvo de uma ação policial nessa segunda (19), que desarticulou mais um grupo de traficantes em Alagoas. Esse foi o terceiro laboratório de drogas descoberto no estado só este ano, e a polícia já fala em migração do tráfico, da maconha para a cocaína.

De acordo com informações passadas em entrevista coletiva nesta terça (20), na sede da Secretaria de Segurança Pública, no centro de Maceió, foram encontrados no local cerca de 6,5 quilos de cocaína, uma quantidade de pasta base, material para refino de drogas, 1kg de maconha, uma espingarda calibre 12, uma pistola calibre 765, munições e outros materiais.

(Redação do TNH1)
(Redação do TNH1)
(Redação do TNH1)
(Redação do TNH1)
(Redação do TNH1)

O coordenador do laboratório seria Thiago Francisco de Lima Silva, 32 anos, preso em flagrante por tráfico, receptação e associação criminosa. Ele já cumpria pena por outro crime e estava em liberdade condicional monitorado por tornozeleira eletrônica.

Thiago, segundo a polícia, trabalhava para o irmão, Anderson Rafael Moreira Lima Silva, 34 anos, que está preso por roubo, tráfico e porte ilegal de arma de fogo.

Caminho da droga

Segundo a polícia, a droga chega ao Brasil vinda da Colômbia, Bolívia ou Peru, em forma de pasta base, e aqui é refinada, para elevar o lucro dos traficantes. O quilo pronto para venda pode chegar a R$ 18 mil. Além disso, o quilo da pasta pode produzir até 4 quilos da droga.

Os índices de apreensão de cocaína têm aumentado em Alagoas desde de 2016, enquanto a maconha segue caminho oposto, o que indica uma migração do tráfico, aponta a investigação.

Em 2016, foi apreendida 1,7 tonelada de maconha; em 2017 houve um aumento, para 2,1 toneladas; mas em 2018 o número caiu pela metade, para 907 quilos, e em 2019, 1 tonelada.

A cocaína seguiu em ascensão: em 2016, 29 quilos; em 2017, foram 20 quilos; em 2018, mais que o dobro, 49 quilos, e este ano, só até agora, 134 kg.

"