Polícia

Polícia detalha como agia quadrilha que roubava mansões em Marechal Deodoro

João Victor Souza | 02/09/21 - 10h01 - Atualizado em 02/09/21 - 10h13
Suspeito está recluso no CISP de Marechal Deodoro | Arquivo

O jovem de 19 anos, preso nessa quarta-feira, 1º, sob a suspeita de participar de assaltos em mansões no município de Marechal Deodoro, já possui um histórico de crimes na mesma cidade e foi detido recentemente por roubo à mão armada. A informação foi passada ao TNH1 pelo chefe de operações do 17º Distrito Policial (17º DP),  Antônio Augusto, na manhã desta quinta-feira, 02.

O policial civil destacou à reportagem que o suspeito foi reconhecido por ao menos quatro vítimas. No último crime, ocorrido numa casa de luxo no povoado Barra Nova, ele e os outros criminosos levaram um veículo de modelo Spin, além de objetos de valor e aparelhos de telefonia. As regiões onde os assaltantes mais agiam eram Barra Nova, Massagueira e Santa Rita.

"Ele e o comparsa invadiram essa casa. O terceiro envolvido ficou no carro, era o motorista da fuga, e trabalhamos ainda para identificá-lo. Mas o comparsa que está foragido foi identificado e seguimos tentando conseguir o paradeiro dele. Os três são filhos de pessoas com boa renda, vivem bem, residem em Maceió e agora estão seguidamente cometendo os crimes de roubo em Marechal Deodoro. Nós já sabemos o carro utilizado por eles, mas não vamos revelar agora para não atrapalhar as investigações", disse o chefe de operações, sem descartar a participação de mais pessoas.

Ainda de acordo com Augusto, os criminosos se aproveitam da distração de moradores ou visitantes das residências para rendê-las. À mão armada, eles invadem as casas e fazem o arrastão, frequentemente com ameaças e agressões físicas. "Eles aproveitavam um vacilo, seja de um morador ou alguém que estava visitando o imóvel, geralmente em alguma comemoração, com mais pessoas na casa... Eles falaram que matariam uma criança de apenas nove anos, caso não fosse dado o que eles pediram".

"O rapaz foi preso recentemente e liberado em audiência de custódia. Na ocasião, ele estava com todos os pertences das vítimas, não confessou o crime, mas ficou comprovado, né? Até pelo reconhecimento das próprias vítimas. Eles gostaram tanto de roubar nessa região que voltaram", continuou o chefe de operações do 17º DP.

O suspeito permanece recluso numa cela do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) de Marechal Deodoro e está à disposição da Justiça.