Polícia

Polícia Federal apura fraudes na compra de medicamentos em Alagoas e mais 4 estados

Prejuízo causado pelo pagamento antecipado de medicamentos sem o posterior fornecimento pode ultrapassar R$ 20 milhões

TNH1 com Polícia Federal | 21/09/21 - 10h02 - Atualizado em 21/09/21 - 11h07
Foto: Cortesia / Polícia Federal

Nesta terça-feira (21), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Pés de Barro que apura fraudes na aquisição de medicamentos de alto custo por força de decisão judicial via Ministério da Saúde (MS). De acordo com a PF,  cerca de 61 agentes cumprem 15 mandados de busca e apreensão nos estados de Alagoas (Maceió), Minas Gerais (Belo Horizonte e Montes Claros), Pernambuco (Recife), São Paulo (São Paulo) e no Distrito Federal (Brasília).

A PF em Alagoas ainda não deu detalhes sobre a operação, mas, conforme a PF em Brasília, os fatos investigados ocorreram entre os anos de 2016 e 2018 e envolveram a aquisição dos medicamentos de alto custo Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme, Elaprase e Soliris/Eculizumabe pela Diretoria de Logística em Saúde do MS. O esquema, segundo a PF, pode ter resultado em, no mínimo, 14 mortes e prejuízo de R$ 20 milhões.

"A má condução dos processos de aquisição desses medicamentos causou o desabastecimento por vários meses de seus estoques do Ministério da Saúde, em prejuízo de centenas de pacientes beneficiários de ordens judiciais, o que contribuiu para o agravamento de sua saúde, podendo ter levado ao óbito ao menos 14 pacientes. Estima-se que o prejuízo  causado pelo pagamento antecipado de medicamentos sem o posterior fornecimento ultrapasse R$ 20 milhões", informou.

Os envolvidos podem responder pelos crimes de fraude à licitação, estelionato, falsidade ideológica, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e corrupção ativa.  O TNH1 tentou falar com a assessoria, mas não conseguiu contato até a publicação deste material.

Pés de Barro - A expressão pés de barro é uma metáfora com origem no antigo testamento, referente à interpretação de um sonho do rei Nabucodonosor II pelo profeta Daniel. No trecho bíblico, verificam-se belas promessas, porém contraditórias na execução.