Polícia

Polícia investiga estupro de adolescente de 16 anos em praia do Litoral Norte alagoano

TNH1 | 29/04/21 - 08h27 - Atualizado em 29/04/21 - 08h40

A Polícia Civil de Alagoas investiga uma denúncia de estupro de uma adolescente de 16 anos em uma praia de São Miguel dos Milagres, Litoral Norte alagoano. Dois homens e uma guarda municipal seriam os responsáveis pelo crime e o abuso sexual teria sido registrado em vídeo.

De acordo com o chefe de cartório da delegacia de Porto de Pedras, Daniel Pinto, a mãe da vítima prestou depoimento à polícia nessa quarta-feira (28) e afirmou que o estupro foi praticado no início deste ano.

"A Polícia Civil tomou conhecimento desse fato criminoso através do Conselho Tutelar da cidade. Tão logo intimamos a mãe da menor e ela nos informou que o crime ocorreu na verdade em janeiro", explicou Pinto.

"Só agora ela teve conhecimento devido ao estado de saúde da filha, bastante depressiva, e com isso foi necessário o internamento dela em uma unidade hospitalar. Quando ela se restabelecer, ela vai comparecer na delegacia, na companhia da mãe, para prestar devidos esclarecimentos", acrescentou.

Ainda de acordo com o chefe de cartório, a polícia já identificou possíveis suspeitos que devem ser ouvidos nos próximos dias.

"Já intimamos diversas pessoas possivelmente envolvidas nesses fatos criminosos. A Polícia Judiciária está à frente das investigações e, no mais rápido possível, esse crime será esclarecido e os envolvidos estarão à disposição da Justiça da cidade de Porto de Pedras", concluiu.

O caso

A adolescente de 16 anos disse para a mãe que foi levada para uma festa por uma guarda municipal, que a apresentou a dois familiares dela no local. Os homens seriam moradores de Recife e estariam passando as férias na cidade da Região Norte de Alagoas.

A jovem alegou que teria sido drogada por eles e depois levada para uma parte da praia onde não passavam pessoas. Eles teriam aproveitado o trecho deserto e abusado sexualmente dela.

A Guarda Municipal de Porto de Pedras lamentou o ocorrido e destacou que a servidora está afastada do trabalho até a conclusão das investigações.