Maceió

Prédios com risco de tombamento começam a ser demolidos no Pinheiro

Eberth Lins | 07/04/20 - 09h52 - Atualizado em 07/04/20 - 11h16
Foto: Marco Antonio / Secom Maceió

Os moradores do recém silencioso bairro do Pinheiro amanheceram com um som incomum, nesta terça-feira (07), com a chegada das máquinas e início das demolições de blocos com risco de tombamento no Conjunto Habitacional Jardim Acácia.

A demolição foi iniciada pelo bloco 8 (oito), mas também serão demolidos os blocos 7 (sete), 9 (nove) e 15 (quinze). Cada bloco conta com 24 apartamentos, todos já interditados pela Defesa Civil e desocupados pelos moradores que foram inseridos na Ajuda Humanitária do Governo Federal.

O trabalho deve durar uma semana e, até a conclusão, ficarão totalmente interditadas a Rua Marechal Manoel Menezes e a Alameda Cônego Cavalcante de Oliveira.

De acordo com a Coordenadoria Municipal Especial de Proteção e Defesa Civil (Compdec), os prédios oferecem risco à população e a chegada do período das chuvas agrava o risco de tombamento.

“Desde o início a gente vem acompanhando a situação no bairro e esses prédios sofreram mais severamente com as fissuras que surgiram na região. Esses quatros são os prioritários devido ao risco de colapso das estruturas”, explicou o diretor de Planejamento e Redução de Risco da defesa Civil, Arthur Rodas.

Prédios com risco de tombamento começam a ser demolidos no bairro Pinheiro. Foto: Marco Antonio / Secom Maceió 

O diretor também informou que outros imóveis podem ser demolidos no bairro. “Cada vez que for constatado que uma residência precisa ser demolida, iremos proceder com essa ação. Esta etapa pode ser a única ou a primeira de muitas. Vai depender da evolução dos fissuramentos e feições do bairro”, pontuou Rodas.

O processo para demolição, segundo a Defesa Civil, foi planejando para não oferecer riscos à população, com a interdição de ruas e a colocação de tapumes, por exemplo.

“Os riscos visíveis constatados pela Defesa Civil e técnicos de engenharia, com a demolição não existirão mais. Diminuindo esses riscos, a salvaguarda de vidas será mantida para moradores, trabalhadores e pessoas que transitam na região”, ressaltou Arthur Rodas.

A demolição das estruturas está sendo realizada por meio de uma cooperação técnica entre a empresa Braskem e a Prefeitura de Maceió, tendo como base estudos do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que aponta a atividade de mineração como causadora de instabilidade de solo nos bairro Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto.