Maceió

Procon Maceió notifica BRK Ambiental após anúncio de reajuste na tarifa de água

Secom Maceió | 02/09/21 - 15h31 - Atualizado em 02/09/21 - 16h28
Procon Maceió já se reuniu com representantes da BRK Ambiental, na sede da Prefeitura de Maceió | Divulgação / Secom Maceió

O Procon Maceió notificou nesta quinta-feira (2), a empresa BRK Ambiental, com o intuito de obter esclarecimentos sobre o anúncio publicado em Diário Oficial do Estado (DOE), na última segunda-feira (30), acerca do reajuste de valores em todas as categorias tarifárias e faixas de consumo, a partir de 1° de outubro nas faturas dos moradores de Maceió.

Também está em análise no Procon Maceió a possibilidade de o Município entrar com uma Ação Civil Pública em desfavor da BRK Ambiental com o argumento de que o reajuste tarifário é prejudicial aos consumidores, sobretudo neste momento em que a pandemia da Covid-19 tem agravado a situação financeira de milhares de maceioenses.

O órgão de proteção ao consumidor vem recebendo constantes reclamações sobre os serviços prestados pela BRK Ambiental, a exemplo das possíveis interrupções e suspensão de fornecimento de água, além da metodologia aplicada no faturamento das contas dos consumidores.

O TNH1 entrou em contato com a BRK Ambiental, que ficou de enviar o posicionamento da empresa. 

Atendimentos

Para realizar denúncias ou obter mais informações e orientações, o consumidor pode entrar em contato pelos telefones 0800 082 4567 ou no WhatsApp (82) 98882-8326.

Para quem prefere atendimento de forma presencial, pode se dirigir em qualquer uma das unidades do Procon Maceió: no Centro Universitário Uninassau, no bairro Farol; na sede da antiga FAT, atual Centro Universitário Mário Pontes Jucá (UMJ), no Barro Duro; e na sede do Procon Maceió, na Rua Dr. Pedro Monteiro, 47, no centro de Maceió. O horário de funcionamento é das 8h às 14h.

Os núcleos da UMJ e Uninassau estão abertos ao público das 8h às 13h, de segunda a sexta-feira. Para formalizar as denúncias, é necessário entregar as cópias do RG, CPF, comprovante de residência e demais documentos que forem necessários para embasar as reclamações de abuso aos direitos do consumidor.