Brasil

Quem foi o doador do coração de Faustão? Veja tudo sobre o jogador de futebol Fábio Cordeiro

g1 Santos | 01/09/23 - 10h27
Arquivo pessoal e Reprodução

O coração que hoje bate no peito de Faustão, torcedor do Santos Futebol Clube, é são-paulino. O doador do órgão, Fábio Cordeiro da Silva, que morreu em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) era torcedor do tricolor paulista, conforme apurado pelo g1 nesta sexta-feira (1º).

Segundo André Batista da Silva, o primo Fábio torcia para o São Paulo desde a infância, assim como ele. Apesar da paixão de ambos pelo tricolor, a família é de Santos, no litoral de São Paulo, terra do clube alvinegro -- o jogador de várzea morava em Mongaguá, também no litoral paulista.

"Podemos dizer que o Faustão, que é santista, hoje tem um coração são-paulino", apontou André Batista ao g1.

Fábio e o São Paulo - André, de 41 anos, lembrou ter 'influenciado' o parente, que tinha 35, a torcer pelo São Paulo quando ainda eram crianças. O tricolor também é o time do coração de Flavio Cordeiro da Silva, irmão de Fábio, e do primo Adriano Pereira.

"Vem desde a infância, com os primos e o irmão. Somos todos são-paulinos", comentou André.

Fábio era jogador de futebol de várzea no litoral paulista e, segundo André, a família também sempre manteve laços com o esporte. "Jogávamos futebol de areia, praticávamos surfe e vôlei de praia. Sempre fomos muito ligados ao esporte na Baixada Santista".

Faustão e o Santos FC - Repórter esportivo durante a 'era Pelé' no Santos FC, Faustão é torcedor do clube alvinegro. Um registro dos dois, inclusive, foi publicado pelo filho do apresentador, João Silva, nas redes sociais.

Faustão também foi flagrado na arquibancada do Maracanã durante a final da Copa Libertadores da América entre Santos FC e Palmeiras, em janeiro de 2021.

O coração transplantado para o apresentador, inclusive, saiu de Santos (SP). O helicóptero que transportou o órgão até o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, levantou voo do campo da Portuguesa Santista, outro clube de futebol da cidade.

Quem é Fábio? Fábio Cordeiro da Silva, o jogador de futebol de várzea que morreu no último sábado (26), vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), sonhava em ser atleta profissional e chegou a fazer testes em grandes times, como o Palmeiras.

Segundo a família, um dos órgãos que Fábio doou foi o coração. Entre 19 e 26 de agosto, foram realizados 13 transplantes de coração no país, sendo sete no estado de São Paulo, entre eles, o do apresentador Fausto Silva, mas o governo do estado não informou quem foi o doador de Faustão.

De acordo com o irmão dele, Flavio Cordeiro da Silva, faltaram oportunidades para que Fábio fizesse do futebol a carreira. “Ele sonhava [em ser profissional]. Tinha talento, mas, na época, tinha que ter muita sorte para seguir. Era mais difícil, precisava ter dinheiro, empresário”, explicou.

“Era um jogador incrível, jogou em vários clubes da várzea. Até os adversários o respeitavam”, disse o irmão.

Flavio contou que o irmão foi para o futebol amador após não passar em testes de times profissionais, pois jamais abandonaria o esporte, que era sua maior “paixão”. No entanto, a modalidade não era a única praticada por Fábio, que também surfava, fazia capoeira e era um atleta exemplar.

“Não colocava açúcar na boca, as comidas eram bem certinhas, fazia academia. Era puro músculo [...]. Tinha uma liderança em campo e fora de campo também”, relembrou.

Legado - Como único irmão do atleta, Flavio disse fazer de tudo para manter a história de Fábio viva. “Era o caçulinha, então tinha um pouco de mim nele também”. Ele disse ter muito orgulho do irmão, que era seu parceiros inclusive na música. Os dois tiveram uma banda de forró.

O professor de educação física André Batista da Silva, de 41 anos, é primo e cresceu com Fábio. “Para mim, ele é o ‘Fabinho’ [...]. Ensinei a chutar a bola, bater falta, essas coisas. Era uma relação de primo, mas praticamente de irmão”, enfatizou.

Ele contou que os dois aprenderam a surfar juntos e as boas memórias jamais serão esquecidas, bem como o legado de Fábio. “Menino puro, trabalhador, sereno", descreveu o primo.

“Nos deixou mas está ajudando outras pessoas, como sempre ajudou”, disse André sobre a doação de órgãos.

Morte - Fábio sofreu o AVC na última quarta-feira (23), enquanto trabalhava como azulejista em um apartamento em Santos. O jogador foi encontrado no dia seguinte, quando a equipe que trabalhava no local chegou e o encontrou consciente, mas com o lado direito do corpo paralisado.

Ele foi socorrido até a Casa de Saúde de Santos, onde foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e passou por uma cirurgia no cérebro. A morte cerebral foi constatada na manhã de sábado (26), e a família optou por doar os órgãos.