Maceió

Região do Pinheiro e outros 11 bairros da capital podem ter financiamentos suspensos pela Caixa

Seguradoras estariam se recusando a participar dos contratos

Gilson Monteiro | 25/03/21 - 17h56 - Atualizado em 26/03/21 - 09h29
Foto: Reprodução Google Maps

A tragédia dos moradores dos bairros afetados pela mineração de Sal-gema está longe de acabar e pode ter efeitos colaterais inesperados até mesmo quem não está na chamada área de risco da Braskem.

A instabilidade do solo, que já afeta cerca de 20 mil famílias de quatro bairros de Maceió, estaria sendo usada para justificar recusas de companhias seguradoras em uma área que abrange nada menos que 1.375 CEPs (Código de Endereçameanto Postal) da capital em 15 bairros, a maioria deles fora da chamada área de risco da Braskem (Pinheiro, Bebedouro, Mutange e Bom Parto). Veja lista completa mais abaixo.

O TNH1 e a TV Pajuçara estão buscando esclarecer o teor dos documentos aos quais teve acesso e que também já circulam maciçamente em grupos de WhatApp, como mostra a imagem abaixo. 

Reprodução de uma das inúmeras conversas circulam na internet. 

A denúncia é de que as seguradoras estariam se recusando a participar dos contratos imobiliários em toda essa área, o que, em última instância, obrigaria a Caixa Econômica Federal a suspender os financiamentos. Ao lado de cada CEP aparecem as ruas seguidas da informação "Declinado", ou seja, "Recusado".

Os CEPs (CLIQUE AQUI E BAIXE A LISTA COMPLETA) englobam endereços dos seguintes bairros: 

  • Bebedouro
  • Bom Parto
  • Canaã
  • Chã da Jaqueira
  • Chã de Bebedouro
  • Farol (incluindo as ruas Thomaz Espíndola, Dom Antônio Brandão e Angelo Neto) 
  • Feitosa
  • Gruta de Lourdes
  • Jardim Petropoles (incluindo os condomínio Aldebram) 
  • Levada
  • Mutange
  • Petrópolis
  • Pinheiro
  • Pitanguinha
  • Santo Amaro

Os arquivos aos quais o TNH1 teve acesso e já circulam na internet incluem uma reprodução de um e-mail da própria Caixa aos responsáveis técnicos de contratos de financiamento enviando a lista de Ceps e explicando que, como as companhias seguradoras não estão emitindo apólice no bairro Pinheiro e áreas adjacentes devido à possibilidade de danos físicos decorrentes do abalo sísmico, a garantia deverá ser negada não só para os imóveis dos bairros que já estão nas áreas de risco, como também para os demais bairros da lista porque as seguradoras estariam se recusando a emitir apólices. Veja abaixo:

O TNH1 contactou a Caixa Econômica Federal, que enviou nota afirmando que tomou conhecimetno de alguamas recusas de aprovação de seguro na região, o que estaria sendo tratado com as seguradoras. Leia  no ta na íntegra: 

NOTA DA CAIXA

A CAIXA esclarece que o seguro habitacional é uma garantia fundamental e obrigatória para o crédito Imobiliário, conforme determinação do Banco Central.  

Informamos que temos conhecimento de eventuais negativas de aprovação de seguro na região, o que está sendo tratado com as seguradoras.

Eventuais casos que se encontram nesse situação serão analisados pela CAIXA pontualmente.


A TV Pajuçara contactou a Defesa Civil de Maceió, que infomou apenas que não houve, nem há previsão de atualização do mapa de risco, que é o instrumento oficial para delimitar a área prejudicada pela mineração.