Maceió

Rodoviários param a partir desta terça; veja como fica o serviço de ônibus

Redação TNH1 | 05/04/21 - 12h34 - Atualizado em 05/04/21 - 14h27
Secom Maceió

Após uma audiência virtual com o Ministério Público do Trabalho e o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Maceió (Sinturb), na manhã desta segunda-feira (05), o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Alagoas (Sinttro) decidiu por uma operação padrão a partir desta terça-feira (06). 

Vale ressaltar que, a paralisação é das empresas de ônibus coletivos, não influenciando no fluxo de ônibus e transportes intermunicipais. 

De acordo com as primeiras informações, não houve acordo com relação ao aumento salarial, e segundo decisão do sindicato da categoria, os ônibus só devem circular em Maceió a partir do meio dia. A medida vale para terça, quarta e quinta-feira desta semana. Já o início oficial da greve dos rodoviários ficou marcado para sexta-feira (09), respeitando apenas os 30% da frota circulando, o que é previsto em lei. 

Em resumo, até o momento, as informações são as seguintes: 

► Terça/Quarta e Quinta-feira: ônibus só circulam a partir das 12h 

► Sexta-feira (9) - Previsão de Início da greve com apenas 30% dos ônibus rodando.

A decisão pela 'operação padrão' ficou acertada no último sábado (03) em assembleia geral entre trabalhadores e a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Alagoas (Sinttro) e confirmada hoje após reunião entre as partes, com participação do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Em nota, o Sindicato das Empresas lamentou a decisão do Sindicato dos Rodoviários e disse que vai recorrer à justiça para que a frota seja mantida 100% em circulação nas ruas. 

Também em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Alagoas (Sinttro) confirma que a operação padrão está mantida e que "esgotaram todas as tentativas de encontrar um consenso para o impasse que está ameaçando retirar e reduzir o ticket alimentação e reduzir a parte paga pelos empresários pelo plano de saúde de R$ 120 para R$ 65". (Leia a nota na íntegra no fim da matéria)

Nota do Sinturb na íntegra: 

"O Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Maceió (Sinturb) lamenta a postura do Sinttro-AL, de recusa às propostas conciliativas feitas em audiências de mediação.

Mesmo diante de um momento crítico de desequilíbrio econômico-financeiro, com seguidas quedas no número de passageiros nos últimos meses, as empresas se dispuseram a manter os benefícios do ticket-alimentação e do plano de saúde dos rodoviários. No entanto, a categoria exige aumento salarial e o pagamento de custos indevidos, que não estão previstos em acordo.

Em sua proposta final, as empresas de ônibus propuseram assumir integralmente o plano de saúde, para que os rodoviários não fiquem desassistidos nestes tempos de pandemia, de forma mais barata do que é cobrado hoje pelo Sinttro-AL.

Por fim, diante do anúncio feito por parte do sindicato dos rodoviários, de que a categoria irá dar início ao movimento grevista às 4h30 desta terça-feira (06), o Sinturb informa que irá judicializar a questão para que a frota seja mantida 100% em circulação nas ruas, para evitar prejuízos à população de Maceió."

Nota do Sinttro na íntegra:

"A diretoria do Sinttro-AL comunica que está mantida nossa operação-padrão, agendada para acontecer nesta terça-feira, quarta e quinta-feira (6, 7 e 8 de abril), e greve geral a partir de sexta-feira, 9, como nossa categoria decidiu em assembleia no último sábado, 3, quando se esgotaram todas as tentativas de encontrar um consenso para o impasse que está ameaçando retirar e reduzir o ticket alimentação e reduzir a parte paga pelos empresários pelo plano de saúde de R$ 120 para R$ 65. 

Ainda na manhã de hoje, na audiência que estava agendada para as 9h pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), o presidente de SINTTRO-AL, Sandro Rages, comunicou decisão da categoria, tomada na última assembleia, pela manutenção do ticket alimentação em R$ 500 e do plano de saúde continuar sendo custeado em R$ 120 pelas empresas, além da realização da greve. Mesmo assim, não houve qualquer avanço por parte dos patrões que se mantiveram em sua postura egoísta e de desvalorização de seus trabalhadores, sem sequer demonstrar nenhum peso na consciência por saber que seus funcionários estão passando fome com suas famílias, pois não estão recebendo o seu ticket alimentação e em vias de perder seus planos de saúde. 

A Prefeitura de Maceió vem fazendo a parte dela, subsidiando em R$ 1,5 milhão o sistema e isentando o mesmo de pagamento do ISS. Mesmo com esse aporte, as empresas continuam alegando que o valor é insuficiente para que os trabalhadores recebam seus benefícios de volta. Não dá mais para ficar de braços cruzados após quase três meses de negociações em audiências com argumentos dos empresários que só estão fazendo a corda arrebentar do nosso lado. 

Chegamos ao nosso limite, o trabalhador que se doa todos os dias, mesmo em plena pandemia, se expondo e não fazendo corpo mole, não aceita mais esse tipo de tratamento. Se é preciso chegar as vias de fato, então nós vamos, unidos e com fé em Deus que o resultado será positivo para nossa classe. 

Vamos permanecer unidos e sem medo de enfrentar essa batalha. De braços dados, de amanhã até quinta, não sairemos com os ônibus. Somente a partir do meio-dia volteremos a circular. Vamos mostrar nossa força, e mais, nossa indignação perante quem não respeita nossa categoria, nossa família e nossos direitos".