Maceió

Sindicato pede 24 horas para apresentar proposta sobre tíquete alimentação

Ascom MPT | 22/02/21 - 18h11 - Atualizado em 22/02/21 - 18h58
Secom Maceió/ Arquivo

Durante audiência de mediação conduzida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), na tarde desta segunda-feira (22), o sindicato das empresas de transporte de passageiros de Maceió (Sinturb) pediu prazo de 24 horas para apresentar uma proposta de complementar o valor apresentado pelo Município de Maceió para pagar o tíquete alimentação aos rodoviários da capital. A procuradoria geral do Município estima adiantar a compra de aproximadamente R$ 900 mil em vale transportes a ser injetado no sistema – cujo valor pode chegar a R$ 1 milhão -, como um aporte imediato para que as empresas realizem o pagamento do benefício aos trabalhadores.

Com o aporte de R$ 1 milhão, as empresas precisariam pagar a diferença correspondente a um mês do auxílio alimentação. O adiantamento da compra de vales seria uma forma urgente de solucionar o problema, até que o município finalize os estudos técnicos para encontrar uma saída permanente para o sistema de transporte.

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários, o Sinttro, aceitou o prazo de 24 horas solicitado pelo Sinturb, mas reafirmou que a categoria não renuncia ao tíquete alimentação e ao plano de saúde e não vê outra saída que não seja a deflagração da greve. Os rodoviários também não aceitaram a possibilidade de que o valor correspondente à compra do tíquete alimentação pelo município seja convertido em abono a ser dividido igualmente aos trabalhadores.

Nesta terça-feira, 23, às 14h, o procurador-chefe do MPT em Alagoas, Rafael Gazzaneo, e o procurador do MPT Luiz Felipe dos Anjos se reunirão novamente com trabalhadores, empresas de ônibus e Município de Maceió para buscar uma solução que garanta o pagamento do tíquete alimentação e do plano de saúde aos rodoviários e para se evitar uma greve no transporte coletivo da capital.