Maceió

SMS realiza ação de combate às hepatites para pessoas surdas

Secom Maceió | 15/07/19 - 16h00
Secom Maceió

Com o objetivo de levar prevenção e diagnóstico precoce das hepatites a diversos públicos, a Secretaria Municipal de Saúde realizou uma ação de orientação e testagem rápida no Instituto Bilíngue de Qualificação e Referência em Surdez (IRES), localizado na Jatiúca, na manhã desta segunda-feira (15).

O evento acontece em alusão ao Julho Amarelo, mês voltado ao combate e prevenção às hepatites virais. “Essa é uma oportunidade de acesso ao diagnóstico de hepatites B e C, Sífilis e HIV para pessoas surdas sem que as mesmas precisem se deslocar a uma unidade de saúde, facilitando o acesso ao serviço”, destacou Teresa Carvalho, gerente do programa Municipal de IST/HIV/Aids e Hepatites Virais.

Outras ações

Ainda com o intuito de levar a temática para a comunidade, acontecerá no dia 20 uma ação na Unidade de Saúde da Família (USF) Novo Mundo, que contará com as atividades do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA). Já no dia 23, haverá um seminário para profissionais da área da beleza no Senac, no Poço, além de testagem e aconselhamento. E no dia 27, uma ação levará prevenção e orientação à Praça Padre Cícero, no Benedito Bentes.

As ações voltadas para o combate, prevenção e diagnóstico precoce das hepatites virais também são intensificadas nas unidades de saúde durante o Julho Amarelo.

Hepatites virais

A hepatite é uma doença extremamente silenciosa e que pode demorar décadas sem manifestar sinais e sintomas, levando o portador da doença a ter um diagnóstico em estágio avançado. Por isso, é importante ter um diagnóstico precoce e fazer o teste, para que possam ser acessados os meios de tratamento do serviço público, que atualmente contam com três locais que fazem parte da linha de cuidados, o Hospital Universitário, o PAM Salgadinho e o Hospital Escola Hélvio Auto.

A vacinação é uma das formas de prevenir a hepatite B, além da realização de testes rápidos. As hepatites mais comuns na região são os tipo A, B e C. “A hepatite A tem relação com a higiene e manipulação de água e alimentos contaminados, associados a outros hábitos, como não lavar as mãos. Já as hepatites B e C podem ser transmitidas sexualmente. Para a B tem vacina, mas a C é tratável e já apresenta 95% de cura”, pontua Teresa.

"