Polícia

Supermercado de empresário investigado pela PF já esteve em nome de morador de rua

Dayane Laet com Ascom PF/AL | 19/06/19 - 08h18 - Atualizado em 19/06/19 - 13h09
Agentes cumpriram mandados na Jatiúca e Eustáquio Gomes | Ascom PF/AL

A Polícia Federal em Alagoas (PF/AL) informou que as movimentações feitas em um supermercado que pertence a um dos empresários investigados na Operação Camaleão, deflagrada nesta quarta-feira (19) em Maceió, já pertenceu a vários donos, laranjas, na tentativa de sonegar impostos. Um deles é morador de rua na Capital.

Ainda de acordo com a PF/AL, durante as investigações, a empresa, que fica no conjunto Eustáquio Gomes, parte alta de Maceió, já foi transferida para o nome de várias pessoas, todas de origem humilde. O prejuízo aos cofres públicos ultrapassa R$ 10 milhões. A Polícia Federal não divulga nomes de pessoas investigadas. 

Veja vídeo:

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal e cumpridos na orla de Jatiúca, residência do empresário investigado, e no Eustáquio Gomes, onde fica o supermercado. Se os crimes de sonegação fiscal, falsificação de documentos e formação de quadrilha forem confirmados, a pena dos envolvidos pode chegar a 19 anos de prisão.

O nome da Operação é uma alusão ao fato de que o camaleão muda de cor como uma forma de se disfarçar, de enganar os predadores e as vítimas para não ser identificado no ambiente. O investigado mudava o "dono" das empresas que na verdade eram suas e se disfarçava como empregado, para que não fosse identificado pela fiscalização tributária.