Polícia

Suspeito de abusar menina de 4 anos será indiciado por estupro de vulnerável

Redação TNH1 | 03/09/21 - 16h55 - Atualizado em 03/09/21 - 17h43
Reprodução / TV Pajuçara

A delegada Adriana Gusmão, da Delegacia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente da Capital, confirmou nesta sexta-feira, 3, que o suspeito de abusar sexualmente uma menina de apenas 4 anos de idade no bairro Ponta Grossa, em Maceió, será indiciado por estupro de vulnerável. A equipe que investiga o caso ainda pode ouvir uma testemunha na próxima segunda-feira e deve encerrar o inquérito na sequência. 

"Ele foi preso por prisão preventiva. Quando tem prisão preventiva é porque tem indício suficiente de abuso sexual. Quando a gente pede e o juiz defere, é porque já há indício suficiente. Falta ouvir uma testemunha só para corroborar e com certeza será indiciado".

Segundo a delegada, o depoimento da criança foi fundamental para o andamento da investigação. "Pode ser que o laudo (do exame de corpo de delito) venha positivo ou negativo, mas isso não quer dizer que não ocorreu o ato libidinoso, porque muitos atos libidinosos ocorrem sem vestígios, a maioria deles. Às vezes a ruptura himenal não ocorreu, às vezes são só vestígios de atos libidinosos, e isso o perito não consegue averiguar. Mas a fala da criança é primordial nesses atos, por isso que houve a prisão dele, com a fala da criança", explicou.

"Ela falou sim o que ocorreu no dia. Ela é uma criança de 4 anos, então ela foi ouvida por mim, sozinha, sem a presença da mãe. E contou de forma muito natural, como criança brincando, que no dia aconteceu isso, não gosto nem de falar, que ele foi lá, pegou, doeu muito. Ela fala tudo isso. Isso foi crucial para a prisão dele e para agora o indiciamento como abuso sexual", detalhou a delegada Adriana Gusmão.

Ainda de acordo com a delegada, o suspeito negou os fatos e afirmou que seria ficante da cuidadora. Em depoimento, a babá relatou que a mãe da menina teria autorizado que o namorado dormisse na casa, o que foi negado pela própria mãe da criança, segundo a delegada. 

"Ela deixou a filha com a cuidadora no dia, teve essa preocupação. Ela não soube no dia o que foi que aconteceu com a filha. Quando ela pegou a filha, a filha estava dormindo. Quando a menina acordou, falou: "não pegue no meu negócio, está doendo muito porque pegaram e meteram o dedo". A partir daí, a mãe começou a conversar com a filha. Depois de dois dias a criança contou: "mamãe, foi isso que aconteceu, aquela pessoa que fez isso comigo". Foi isso que levou à prisão dele", contou a delegada.

Adriana afirmou que o caso aconteceu no dia 27 de agosto, mas só foi noticiado no dia 31 porque a mãe estava conversando com a filha para descobrir o que havia acontecido. "E ela (mãe) só noticiou no dia 31 porque ela não descobria na hora, então provavelmente no laudo não vá vir vestígios, que ele não chegou a penetrar com o dedo". 

O suspeito se entregou às autoridades na quarta-feira, 1º, e está preso desde então. Ele passou por exames no Instituto Médico Legal e foi transferido ao Sistema Prisional, onde está à disposição da Justiça. 

Entenda o caso

O abuso sexual investigado pela Delegacia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente da Capital aconteceu no dia 27 de agosto, no bairro Ponta Grossa, em Maceió. O Conselho Tutelar tomou conhecimento após receber um vídeo da vítima, uma menina de apenas quatro anos, que detalha como sofreu o abuso sexual. A Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB-AL) e a Polícia Civil foram acionados logo em seguida. 

As imagens, enviadas para a redação por um telespectador da TV Pajuçara não foram exibidas por completo por respeito aos familiares e à própria vítima. Nelas, a menina narra que recebeu um beijo na boca e teve o corpo tocado pelo agressor. 

Em entrevista ao Fique Alerta, a mãe da menina afirmou que o namorado da babá é quem teria cometido o abuso. A Polícia civil abriu inquérito e iniciou a investigação logo após a denúncia. O homem se entregou um dia depois e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.