Maceió

Suspeitos na morte de Abinael dividiam cela com reeducando que morreu de doença contagiosa

08/07/16 - 16h16 - Atualizado em 08/07/16 - 17h06

Os dois suspeitos de participação na morte do jovem Abinael  Ramos, cujo corpo foi encontrado no último dia 24 de junho, Ericksen Dowell e Jalves Ferreira, dividiam a mesma cela com Cleisson Ferreira da Silva, reeducando que morreu com suspeita de ter contraído meningococcemia, uma doença contagiosa. Os dois terão que ser submetidos a tratamento à base de antibiótico, assim como os mais de 200 presos e os cerca de 50 agentes que trabalham na Casa de Custódia da Capital, no Cadeião, onde foi registrada a morte. A informação foi confirmada ao TNH1 por uma fonte de dentro do sistema prisional.

Além de Ericksen, Jalves e do reeducando morto, cerca de 20 presos estavam na cela, que é usada para fazer a triagem dos presos que chegam ao Cadeião. O local foi desocupado e teve que passar por quimioprofilaxia. As visitas à unidade prisional foram suspensas. Outros dois reeducandos com suspeita de terem contraído a mesma doença foram encaminhados ao Hospital Hélvio Auto. Um já recebeu alta e outro continua internado.

O clima no Cadeião é de tensão. Por enquanto as medidas são apenas para o Cadeião, mas há o temor de que possam surgir outros casos, já que houve transferência de presos do cadeião para o Cyridião Durval.

Ericksen Dowell e Jalves Ferreira foram transferidos para a unidade do sistema prisional no último dia 1º de julho, após serem presos e confessar a participação na morte de Abinael Ramos. Ericksen teria tramado a morte de Abinael, de quem era amigo pessoal e por quem nutria inveja profissional.