Polícia

Testemunhas do Caso Beatriz começam a ser ouvidas nesta terça-feira

Redação TNH1 | 11/08/20 - 08h00 - Atualizado em 11/08/20 - 08h44

Testemunhas do Caso Beatriz, crime que chocou os alagoanos na última semana, começam a ser ouvidas pela Polícia Civil nesta terça-feira, 11. O corpo da menina de seis anos foi encontrado com sinais de abuso sexual dentro de um saco no telhado de casa. O homem conhecido como "Santinho" foi preso, disse que estava sob efeitos de droga e não lembra o que aconteceu.

O delegado Diego Nunes, titular do 42º Distrito Policial, do município de Maravilha, será o encerregado de dar prosseguimento às investigações e deve colher os depoimentos dos parentes de Ana Beatriz neste primeiro momento. Os interrogatórios devem continuar nesta semana até quinta-feira, 13, e mais pessoas podem ser ouvidas.

Segundo a advogada Julia Nunes, presidente da Associação AME e que representa a família da vítima, a criminalística da polícia também deve ir ao local do crime nesta terça. O trabalho deve conseguir detalhes da dinâmica do estupro seguido de assassinato.

Nunes também revelou que mais três mulheres podem ter sido vítimas de "Santinho". Ela explicou que agora também tem a procuração para defender uma segunda vítima e que vai incluir a nova denúncia nos autos do processo contra o suspeito. 

Ontem, a TV Pajuçara/RecordTV obteve, com exclusividade, imagens de uma câmera de segurança localizada em uma das ruas da cidade de Maravilha, no interior de Alagoas, e que seriam os últimos momentos da pequena Ana Beatriz, na última quinta-feira (06). 

A qualidade da imagem não é boa, mas testemunhas afirmam que, de fato, seria esse o registro da movimentação da criança de 6 anos de idade e de "Santinho", nos momentos que antecederam o crime.    

A câmera registra, às 3h05 da manhã, quando uma criança passa. Seria a irmã da Ana Beatriz. Dez segundos depois, surge outra criança, que seria a pequena Beatriz. Às 3h06, passa correndo uma outra pessoa, ainda não identificada. A criança, que seria Ana Beatriz, permanece no local, embaixo de uma cobertura. Logo em seguida, às 3h07 surge a imagem de um homem que, segundo testemunhas, seria "Santinho".  

Segundo apurou a produção da TV Pajuçara, a sequência de imagens mostra ainda que, ao fundo, outra pessoa passa pelo local quando supostamente a irmã da vítima retorna para a mesma rua, enquanto há uma movimentação embaixo da cobertura. A irmã passa e vai embora. 

Entenda o caso 

A morte de uma criança supostamente vítima de estupro revoltou moradores do município de Maravilha, no Sertão alagoano, na manhã dessa quinta-feira (06). A população se reuniu e atirou pedras na residência do suspeito de cometer o crime. Militares do 7º Batalhão da Polícia Militar foram acionados para capturar o homem e conter os populares.

Segundo os primeiros levantamentos da polícia, o suspeito teria estuprado e depois assassinado a criança. O corpo da menina foi encontrado com machucados e sinais de estupro, dentro de um saco no telhado da casa do suspeito.

Os moradores usaram pedras e pedaços de madeira para jogar no imóvel onde o homem mora. Eles arremessaram os objetos no muro e no telhado da casa. Os militares precisaram utilizar força policial e chegaram a disparar tiros de borracha para dispersar os populares que, além de se aglomerarem na frente da casa, arremessavam objetos em direção aos policiais que faziam a escolta na frente da residência.