Polícia

Ufal diz que vai apurar tentativa de estupro contra estudante no Campus A.C. Simões

30/10/20 - 18h35 - Atualizado em 30/10/20 - 18h44

Em nota emitida na tarde desta sexta-feira, 30, a Universidade Federal de Alagoas (UFAL) afirma que abriu um processo de apuração sobre tentativa de estupro relatada por uma aluna do curso de Farmácia, no Campus A.C. Simões, no Tabuleiro do Martins, em Maceió, ocorido na última quarta-feira (28).

A estudante denunciou que seu relato de tentativa de violência sexual chegou a ser questionada pelos guardas do campus.

Segundo a nota, o reitor determinou que a Pró-reitoria Estudantil tomasse as medidas necessárias para esclarecer os fatos e que oferecesse apoio para o acompanhamento psicossocial às estudantes envolvidas e seus familiares. 

Confira a nota na íntegra:

Em nota, a gestão central da Universidade Federal de Alagoas esclarece que, mesmo não tendo recebido, até o momento, nenhum comunicado nem registro formal sobre fato ocorrido com alunas no Campus A.C. Simões, já determinou que a Pró-reitoria Estudantil agisse para prestar toda assistência necessária às pessoas envolvidas e seus familiares. Veja abaixo a nota na íntegra.

Nota de Esclarecimento

A gestão central da Universidade Federal de Alagoas informa que até o momento não recebeu nenhum comunicado nem registro oficial do ocorrido. O reitor Josealdo Tonholo e a vice-reitora Eliane Cavalcanti ficaram sabendo de fato grave envolvendo alunas no Campus A.C. Simões por meio da imprensa na quinta-feira (29), após as 18h.

O reitor determinou que a Pró-reitoria Estudantil tomasse as medidas necessárias para esclarecer os fatos junto à direção do Instituto de Ciências Farmacêuticas e que oferecesse, imediatamente, todo o apoio necessário para o acompanhamento psicossocial às estudantes envolvidas e seus familiares.

Dada a gravidade dos fatos noticiados pela imprensa, o reitor determinou também abertura de processos para apuração das denúncias junto às instâncias da Ufal e órgãos externos competentes, para que se façam as correções de procedimentos internos e apuração do delito, no propósito de coibir novas ocorrências e também para mitigar os danos porventura ocorridos.

A gestão superior da Ufal reafirma: “Nosso maior patrimônio é nossa gente e, por isso, vamos envidar todos os esforços para garantir a segurança e a dignidade de sua comunidade”.

O reitor solicita ainda atenção para que não haja exposição indevida das pessoas envolvidas, com vistas à proteção da dignidade humana.

Por fim, rechaça todo e qualquer ato de assédio ou de violência física ou moral, o que se contrapõe ao espírito de acolhimento e pertencimento que deveriam reinar na academia e na sociedade.

Reitoria da Ufal