Alagoas

Ufal e Uncisal: vacina é importante para imunidade coletiva e volta à 'normalidade'

Gilson Monteiro | 19/01/21 - 15h00 - Atualizado em 20/01/21 - 11h21
Itawi Albuquerque/TNH1/Arquivo

Dando continuidade à série de entrevistas com instituições e especialistas sobre a vacina contra a Covid-19, o TNH1 traz o ponto de vista da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, a Uncisal e da Universidade Federal de Alagoas, Ufal. Os dois especialistas ouvidos, defendem, com veemência,  importância de se vacinar para garantir a imunidade coletiva.

Gabriel Bádue, professor que coordena o Observatório Alagoano de Políticas Públifdecas para o Enfrentamento da Covid-19,  na Ufal, faz coro com outros estudiosos de que a vacina é o grande caminho para a imunidade coletiva. 

"Nos somamos aos apelos dos que entendem, baseados em evidências científicas, que a vacinação em massa é o único caminho para que atinjamos a imunidade coletiva que irá propiciar o retorno à 'normalidade' com segurança, preservando a vida de todo o povo alagoano", avalia Badue.

"Em um momento em que vários países pelo mundo já iniciaram campanhas de vacinação a fim de imunizar suas populações, especialmente os mais vulneráveis à contaminação, ainda lutamos contra incertezas e campanhas de desinformação", lamenta.

O Observatório, que semanalmente divulga um relatório onde já alertava, desde o final do ano passado, para uma nova curva crescente dos casos da doença em Alagoas.  "Infelizmente estamos vivenciando nessas primeiras semanas de 2021 a confirmação de um expressivo aumento de casos e óbitos por Covid-19 em todo o estado, resultado do descumprimento das medidas de controle por grande parte da sociedade.", alertou. 

Badue, da Ufal: vacinação é o caminho para a imunidade coletiva.

Uncisal: vacina é melhor meio para controle da pandemia

Criada em 1968,  é referência no ensino e pesquisa em Alagoas. A Dra. Luciana Pacheco, infectologista e professora do curso de Medicina da instituição, diz que o controle da pandemia do novo coronavírus é a ampliação da vacinação. "O Brasil já tem experiência neste tipo de vacinação e não deve ser diferente agora. A melhor maneira de controlar essa pandemia da Covid-19 é através da vacinação ampla da população, ressalta.

Sobre a confiança na vacina, fabricada pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, ela ressalta que a tecnologia utilizada é semelhante a outras que o brasileiro já faz uso, a exemplo da vacina contra a gripe.  "A tecnologia para fazê-la já é bem conhecida e usada em outras vacinas que utilizamos anualmente como a da Gripe. O  efeito na população estudada é superior a 50% o que é muito importante no âmbito da saúde pública porque a chance de se contrair a doença cai pela metade e se alguém tiver a doença, mesmo vacinado, a gravidade será bem menor do que se vê hoje", avalia. 

Luciana Pacheco: Brasil já tem experiência nesse tipo de vacinação

Politização da vacina - Luciana Pacheco critica a politização da vacina, que gerou debates com pouca base científica no Brasil."Não vamos deixar que posições políticas e extremismo atrapalhem o combate a esse vírus que transformou nossa vida. Os estudos com a vacina CoronaVac estão mostrando que ela é segura, com poucas reações e o efeito na população  estudada é superior a 50%", observa.