Maceió

Vídeos: grupo bloqueia parcialmente vias em Bebedouro e protesta por realocação

TNH1 | 13/09/21 - 08h05 - Atualizado em 13/09/21 - 10h39
Cortesia

O protesto de moradores e empreendedores de Bebedouro bloqueou parcialmente o cruzamento da Ladeira Professor Benedito Silva com a Rua Marquês de Abrantes, no início da manhã desta segunda-feira, 13, e deixou o trânsito travado. O grupo reivindica celeridade no processo de realocação das comunidades de Flexal de Baixo, Flexal de Cima e parte da Marquês de Abrantes, situadas na região que apresentou instabilidade do solo causada pela extração de sal-gema.

De acordo com a organização do ato, a previsão é de que o grupo permaneça no local até as 20h, porém a Polícia Militar já se encontra no trecho para negociar a liberação do cruzamento, assim como profissionais da SMTT. Os manifestantes chegaram ao ponto de encontro por volta de 6h, e com cartazes e faixas, pediram por definições em relação à moradia.

Durante o ato, um motorista que vinha de Santa Amélia e ficou preso no trânsito se revoltou com os manifestantes. Ele discutiu com parte do grupo que estava impedindo a passagem, O homem alegou que levava o filho ao hospital.

As áreas do Flexal de Baixo, Flexal de Cima e parte da Rua Marquês de Abrantes foram incluídas pela Defesa Civil Municipal no Mapa de Isolamento Social, em maio deste ano. À época, a integração se deu pelo isolamento da população e não pela criticidade da área, a exemplo do que aconteceu nas demais áreas do Pinheiro, Bebedouro, Mutange e Bom Parto. 

O parecer que recomenda a inclusão dos moradores das regiões no plano de realocação em decorrência de “Ilhamento Socioeconômico”, foi encaminhado para a Força Tarefa do Ministério Público Federal (MPF). Uma cópia do documento foi encaminhada à empresa Braskem para conhecimento.

Por meio de nota, a mineradora afirmou que continua com monitoramento da área, já que de acordo com definição da Defesa Civil, não indica mudança de forma imediata. A Braskem destacou também que segue com diálogo permanente com as autoridades para encontrar soluções. Leia abaixo na íntegra:

A Braskem atua na área delimitada pela Defesa Civil como zona de criticidade 00 – que exige realocação imediata – e zona de criticidade 01, que determina monitoramento e não exige mudança imediata. A empresa mantém diálogo permanente com as autoridades, na busca das melhores soluções para os moradores e comerciantes atendidos pelo Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação.

Em dezembro de 2020, a Braskem assinou um acordo que prevê recursos e tratativas nos aspectos sociais, ambientais e de mobilidade. Empresas especializadas estão realizando os diagnósticos nas áreas de entorno do mapa de desocupação para compreender as alterações nas dinâmicas sociais e de mobilidade e sugerir propostas de ações, a partir de escutas da comunidade.

A Braskem respeita o direito de manifestação pacífica e reitera o seu compromisso com a segurança dos moradores dos bairros afetados pelo fenômeno geológico, propondo e executando as ações necessárias para isso.